Negociações de Viena abrem caminho para Síria

Apesar de divergências, analistas elogiam amplitude e formato das reuniões.

Apesar de divergências, analistas elogiam amplitude e formato das reuniões.

AP
Apesar de divergências quanto a Bashar, intensificação de reuniões representam, por si, só, um grande avanço.

As reuniões entre os chanceleres da Rússia, dos EUA, da Arábia Saudita e da Turquia que se se iniciaram em outubro em Viena cresceram em grandes escalas.

Após as primeiras negociações, 19 delegações passaram a compor as reuniões, entre elas, representantes dos países permanentes no Conselho de Segurança das Nações Unidas, organizações internacionais e os principais players da região.

Na última reunião na capital austríaca, realizada em 14 de novembro, os participantes conseguiram chegar a acordo quanto às etapas para uma solução política na Síria. No entanto, não foi possível se chegar a um consenso quanto ao futuro do presidente sírio Bashar al-Assad.

Os EUA, a Turquia e alguns países da região insistem em que o atual presidente sírio deixe o cargo e que se afaste das atividades políticas.

Por outro lado, a Rússia insiste em que não haja barreiras à participação de Assad no processo político.

"Não se alcançou um acordo para impedir o presidente Assad de participar do processo político", declarou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguêi Lavrov.

Segundo o pesquisador-sênior do Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais, Geôrgui Mírski, as divergências quanto a Assad ameaçam o sucesso das negociações de Viena.

"Após os ataques de Paris, a França e os Estados Unidos poderiam até aceitar isso. Mas os países da região, certamente, não o farão", disse Mírski à Gazeta Russa.

Outros ângulos

Viena também revelou outras divergências entre as partes, como é o caso da elaboração de uma listagem unificada de organizações terroristas.

O rol serviria de base para separar grupos moderados, com os quais seria possível estabelecer diálogo, de grupos terroristas, que deveriam ser eliminados.

A única unanimidade que se chegou na questão foi que duas organizações se encaixariam na segunda categoria: o EI (Estado Islâmico) e a Frente Al-Nusra.

"Outros grupos islâmicos que a Rússia considera terroristas, porém, recebem apoio de países da região, como é o caso, por exemplo, do Ahrar al-Sham”, explicou à Gazeta Russa o professor da Universidade Estatal Russa de Humanidades, Grigóri Kossatch.

Papel russo

Apesar das dificuldades enfrentadas no processo de resolução da crise síria, o analista político Andrêi Suchentsov acredita que o formato das negociações em Viena é o ideal.

"A participação de todas as partes interessadas na resolução da crise síria é essencial. Ainda está em aberto se será possível chegar a um consenso, mas o diálogo em si já é um sinal muito bom", diz.

Segundo ele, a participação ativa da Rússia na resolução da crise síria e na luta contra o terrorismo contribui para uma mudança de sua posição no cenário internacional.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies