Os cinco principais acontecimentos do G20

Encontro se encerrou nesta segunda e foi palco de discussões importantes para o cenário internacional

Encontro se encerrou nesta segunda e foi palco de discussões importantes para o cenário internacional

AP
A cúpula das 20 maiores economias mundiais se encerra nesta segunda-feira (16), em Antália, na Turquia, com eventos dignos de nota, como o encontro não planejado entre Obama e Pútin. A Gazeta Russa traz um top 5 desses acontecimentos.

1. Encontro não planejado entre Obama e Pútin 

Pútin e Obama Foto: Reuters
Obama e Pútin conversaram por cerca de 30 minutos antes da abertura da cúpula no domingo (15) Foto: Reuters

No domingo (15), o presidente norte-americano Barac Obama e o russo Vladímir Pútin se encontraram antes do início das reuniões dos líderes do G20.  

A conversa durou quase meia hora. Segundo o assistente de Pútin, Iúri Ushakov, os líderes discutiram a situação na Ucrânia e, sobretudo, na Síria.

Perguntado se foi possível que os dois tenham conseguido aproximar a abordagem quanto ao país árabe, Ushakov disse que os objetivos estratégicos da guerra contra o terrorismo russa e da norte-americana são muito próximos, apesar de ainda haver divergências na prática. 

2. Conclusão das investigações do avião russo que caiu no Egito

Russian President Vladimir Putin (R)meets with Italian Prime Minister Matteo Renzi during G20 summit in Antalya, Turkey, 16 November 2015. In addition to discussions on the global economy, the G20 grouping of leading nations is set to focus on Syria during its summit this weekend, including the refugee crisis and the threat of terrorism. Foto: EPAPremiê italiano (dir.) e presidente russo falaram sobre terrorismo e o voo russo que caiu no Egito. Foto: EPA

Em encontro entre o premiê italiano Matteo Renzi durante a cúpula, Pútin falou sobre as investigações da queda do avião comercial russo no Sinai no final de outubro.  

"Estamos no estágio final da análise do material", disse o presidente russo.

O porta-voz de Pútin, Dmítri Peskov, anunciou ainda nesta segunda-feira (16) que nenhuma das versões sobre a queda do avião pode ser descartada por enquanto.  

Já o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Oleg Siromolotov, disse que ainda não há dados concretos sobre as causas da tragédia. 

3. Associação da Ucrânia com a UE

German Chancellor Angela Merkel (FRONT L) and Russian President Vladimir Putin (FRONT R) make their way to bipartisan talks within the scope of the G20 Summit in Belek, Turkey, 15 November 2015. The G20 group of nineteen industrial and emerging countries as well as the EU convenes under the chairmanship of Turkey on 15 and 16 October 2015. Foto: AFP/East News
A entrada em vigor do acordo de associação da Ucrânia com a UE foi ponto-chave das discussões entre a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente Pútin. Foto: AFP/East News

Durante negociações dos líderes da Rússia e da Alemanha na cúpula, discutiu-se "muito detalhadamente" a questão da entrada em funcionamento do acordo de associação da Ucrânia com a União Europeia, segundo Peskov.

"Infelizmente, nossos contatos com os europeus e os ucranianos não trazem os resultados desejados e as consequências da entrada em vigor desse acordo continuam, em princípio, negativas. E as tentativas de discutir esses problemas, por enquanto, não obtiveram êxito", disse o porta-voz do presidente russo.

Em Moscou, anunciou-se diversas vezes que o acordo de associação no formato atual comprime os interesses econômicos russos. Em 30 de outubro, o premiê russo Dmítri Medvedev anunciou que, em resposta à entrada em vigor do acordo, Rússia aumentaria a "proteção de tarifas alfandegárias como proteção contra a Ucrânia" a partir de 1 de janeiro de 2016.

4. Renegociação da dívida ucraniana com a Rússia

Presidente ucraniano Petro Porochenko Foto: ReutersPresidente ucraniano Petrô Porochenko assinou em maio lei sobre a moratória da dívida  Foto: Reuters

Durante a cúpula das 20 potências econômicas mundiais, o presidente Vladímir Pútin também anunciou estar pronto a renegociar a dívida ucraniana de US$ 3 bilhões - e em melhores condições que as do FMI (Fundo Monetário Internacional).

Com a possibilidade de pagar em três anos - um milhão por ano até 2018, e sem devolver nenhum copeque em 2015 -, porém, a Ucrânia, os EUA e a UE teriam que fornecer as garantias necessárias.

Um crédito de US$ 15 bilhões foi concedido à Ucrânia em novembro de 2013. O país recebeu apenas a primeira parte, US$ 3 bilhões, e, após isso, iniciaram-se protestos e a crise. A devolução, porém, segundo o documento firmado entre as partes, deveria se dar em dezembro de 2015.

5. Bônus fofinho


Fonte: YouTube

Além das inúmeras questões sérias suscitadas na cúpula, a imprensa não deixou de reparar nos três gatinhos que foram parar em um dos palcos do evento, registrados em vídeo 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.