Oposição síria recorre aos EUA para se defender de ataques

Getty Images
De acordo com a imprensa norte-americana, os representantes da oposição síria apelaram aos Estados Unidos para lhes fornecer mísseis terra-ar. Embora duvidem que a Casa Branca sucumba ao pedido de socorro, os analistas russos não descartam a possibilidade do fornecimento de armas pela Turquia e Arábia Saudita.

Em meio a acusações de bombardeios russos à chamada “oposição síria moderada”, o jornal “The Washington Post” informou na sexta-feira passada (2) que alguns grupos locais haviam pedido ao governo norte-americano para lhes fornecer recursos de defesa antiaérea.

O objetivo, segundo a publicação, seria proteger-se contra os ataques aéreos perpetrados pela Rússia.

O cenário, que remete à Guerra Fria, quando os Estados Unidos forneciam armas aos mujahidin afegãos, poderia levar ao aumento das tensões nas relações com Moscou, acreditam os observadores.

“Mas eles não vão entregar Stingers à oposição moderada porque, nesse caso, Assad receberia um S-300”, diz o Andrêi Suchentsov, sócio-gerente da agência Política Externa.

Para o cientista político, os norte-americanos e seus aliados não irão fornecer sistemas de defesa aérea portáteis (Manpads, na sigla em inglês) nem outros meios de defesa aérea aos adversários do presidente Bashar al-Assad porque a Síria possui um papel secundário nos planos dos EUA.

Além disso, Suchentsov relembra que, após a retirada das tropas soviéticas do Afeganistão, as autoridades norte-americanas tiveram que desembolsar consideráveis somas de dinheiro para comprar de volta os armamentos dos mujahidin, porque temiam o seu uso contra o próprio país.

Já Dmítri Ofitserki-Belski, professor da Escola Superior de Economia, aponta para o caráter inusitado da matéria divulgada pelo “Washington Post”, qualificando-o como um “vazamento de informação especialmente organizado para sondar a reação tanto interna, como na Rússia”.

“Os rebeldes sírios podem estar exagerando na prontidão dos Estados Unidos em encarar a Rússia no conflito sírio e, à custa disso, tentam reviver certos temores em Moscou”, disse Ofitsérki-Bélski à Gazeta Russa.

Segundo o professor, há ainda a hipótese, embora pouco provável, de os EUA não estarem interessados em fomentar o confronto com a Rússia. “Tentam desse jeito interromper o fornecimento clandestino de Manpads ou de qualquer outro equipamento militar”, sugeriu.

Players regionais

Apesar de os analistas rejeitarem a ideia de fornecimento norte-americano, eles ressaltam que a Arábia Saudita e a Turquia já enviaram Manpads aos opositores sírios e que alguns desses sistemas podem também ter sido tomados na Líbia e no Iraque. “Porém, eles são ineficazes contra os modernos aviões de ataque, como o Su-34”, disse Ofitserki-Belski.

“O mais provável é esses países continuarem os fornecimentos de antitanques e outras armas que de modo algum conseguem atingir aeronaves da Força Aérea Russa, mas que conseguem reforçar a resistência à ofensiva iminente das forças sírias e das forças expedicionárias do Irã.”

O diretor do Centro de Estudos Orientais, Relações Internacionais e Diplomacia Pública Vladímir Avatkov também não descarta a possibilidade de a oposição síria vir a obter sistemas de defesa antiaérea turca. “Da Turquia pode se esperar medidas antirrussas inesperadas, incluindo o apoio físico à oposição síria”, destaca.

Após recente viagem a Moscou, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan admitiu pela primeira vez a possibilidade de um período de transição com Assad no poder. Uns dias atrás, porém, ele voltou a dizer que a Rússia está equivocada e pode ficar isolada devido à sua política.

“A Turquia negocia e procura a melhor posição para si. Isso se deve tanto ao meio da política externa, como à situação interna do país, onde são crescentes as contradições entre as principais forças políticas”, arremata Avatkov. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.