“Posição geopolítica exige aproximação com Oriente e Brics”

Medvedev: “Apesar da crise atual com o Ocidente,  o restabelecimento da cooperação é inevitável”

Medvedev: “Apesar da crise atual com o Ocidente, o restabelecimento da cooperação é inevitável”

Reuters
Em artigo, primeiro-ministro russo Dmítri Medvedev analisa as principais mudanças na economia global que afetam diretamente a situação no país. Confira os principais trechos.

“A questão não está apenas em superar as dificuldades, crises, déficits e desequilíbrios que surgiram hoje ou que já são crônicos. Apesar da relevância desse trabalho, importante formularmos, diante de todas as dificuldades que enfrentamos hoje, os objetivos estratégicos e as questões que queremos ver resolvidas”, descreveu Medvedev em um artigo intitulado “A Nova Realidade: A Rússia e os Desafios Globais”, publicado na revista russa “Questões da Economia”.

New normal, nova realidade

“Na discussão dos problemas atuais e futuros do desenvolvimento global começou a se usar cada vez mais o termo new normal. Ele surgiu cinco anos atrás, depois de terminada a fase mais crítica da crise global, e rapidamente ganhou popularidade. New normal [Novo normal, em português – nota de edição] também pode ser traduzido como ‘nova realidade’. Ela engloba as principais características que vão moldar o desenvolvimento da economia global no período que se segue – ou seja, até a próxima grande crise, até a próxima crise estrutural.”

Ocidente, Oriente e Brics

“Apesar do atual aspecto, com grande caráter de crise, dessas relações [com o Ocidente], o restabelecimento da cooperação é inevitável. A Rússia não pretende deixar o continente europeu do ponto de vista econômico, político nem cultural. (...) As relações podem mudar também no futuro, mas a direção estratégica se manterá a mesma – a cooperação, a parceria e, em caso de desenvolvimento favorável dos acontecimentos, a formação de um espaço econômico único.”

“A posição geográfica e geopolítica da Rússia não só permite, como, de certo modo, exige de nós o desenvolvimento mais ativo da cooperação virada para o Oriente. E trata-se não apenas da região Ásia-Pacífico, mas também dos países-membros da Organização para Cooperação de Xangai e do Brics, espalhados pelas mais diferentes regiões do globo.”

Poupança contra sanções

“A principal fonte de investimento deve ser a poupança interna. Trata-se de um desafio estratégico a longo prazo, mas é necessário seguir nessa direção. Também incluímos nesse contexto o uso eficiente do fundo de pensões. O sistema de aposentadorias e o de seguros são a principal fonte de formação de reservas na economia.

Diante de toda a complexidade geopolítica, das sanções e das várias restrições, não podemos esquecer a questão da atração de investimento estrangeiro. Subestimar esses investimentos significaria aceitar a lógica do isolamento imposto a nós.”

Para além de matéria-prima

“É preciso estimular o crescimento das exportações não petrolíferas – em números absolutos e porcentagem das exportações totais. Entre outras coisas, isso seria um indicador de que a substituição das importações realmente funcionou e começou a produzir resultados positivos. 

O mesmo vale para mudanças qualitativas na eficácia da administração pública. É preciso criar um sistema com diferentes níveis de responsabilidade e autoridade para tomada de decisões.”

A versão completa do artigo foi publicada na revista “Questões da Economia”, nº 10 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.