Filha de Nemtsov deixa a Rússia após receber ameaças

Janna Nemtsova estaria vivendo sob ‘extrema tensão’, segundo advogado da família Foto: EPA

Janna Nemtsova estaria vivendo sob ‘extrema tensão’, segundo advogado da família Foto: EPA

Janna Nemtsova, a filha mais velha do oposicionista assassinado Boris Nemtsov, fugiu do país depois de receber ameaças pelas redes sociais. Apesar das críticas públicas dirigidas ao Kremlin, o cientista político Aleksêi Zúdin acredita que argumentos de Janna são infundados.

Em entrevista à Gazeta Russa, o advogado da família Nemtsov, Vadim Prókhorov, confirmou que Janna deixou a Rússia para se fixar em um país europeu. “A situação [que envolve sua cliente] é de extrema tensão”, disse Prókhorov.

A mudança de país se deu após a filha mais velha do oposicionista assassinado assumir à revista britânica “Times” que havia recebido ameaças nas redes sociais.

“Não se meta na política se quiser viver normalmente! Tanto na Rússia, como em qualquer outro lugar! Seu pai fez o suficiente para ser odiado por nós, 139 milhões de pessoas”, lê-se em uma das mensagens recebidas por Nemtsova.

Segundo Janna, após a morte de seu pai, a situação na Rússia vem se degradando rapidamente. Exemplo disso seria o suposto envenenamento de um amigo do seu pai, o jornalista Vladímir Kara-Murzá Júnior.

Além do mais,  o presidente da Tchetchênia “continua recebendo mais condecorações em vez de ser intimado judicialmente, enquanto os próximos da vítima, Aleksêi Navalni e Mikhail Kassianov, continuam a ser atacados com ovos e spray de pimenta”, acrescentou o advogado da família Nemtsov.

No domingo passado (7), o líder da oposição Aleksêi Naválni foi atacado com ovos por um grupo de pessoas em Novossibirsk, antes de uma coletiva de imprensa.

De quem é a culpa?

Ainda segundo Prókhorov, os recentes fatos revelam que a Rússia está vivendo “uma política de terror”, por trás da qual estaria o poder instituído. “Janna já havia responsabilizado politicamente o Kremlin pela morte de seu pai”, disse o advogado.

Em um artigo publicado nesta terça-feira (9) pelo jornal “Védomosti”, Nemtsova reiterou suas acusações contra as autoridades russas, acusando-as de promover “lavagem cerebral em larga escala” e “propaganda do ódio”.

No mesmo artigo, Janna comparou os jornalistas próximos do poder com os “atiçadores da carnificina étnica em Ruanda e com os comunicadores nazistas”.

Porém, na opinião do politólogo Aleksêi Zúdin, essas acusações não são sérias. Trata-se de “avaliações estereotipadas dos representantes da oposição contra o sistema”, alega o membro do conselho científico do Instituto de Pesquisas Socioeconômicas e Políticas.

Zúdin ressaltou que, ao analisar a retórica dos opositores nas redes sociais, verifica-se que, muitas vezes, são justamente eles que criam esse “clima de ódio e segregação social”.

“A partida de Janna pode ter a ver com duas coisas: não conseguiu superar o trauma da morte do pai ou resolveu mudar de local de trabalho”, sugere o politólogo.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.