Duma ratifica acordo sobre fundo de reservas do Brics

Todos os deputados presentes na sessão aprovaram o acordo de criação do fundo do Brics Foto: Vladímir Fedorenko/RIA Nóvosti

Todos os deputados presentes na sessão aprovaram o acordo de criação do fundo do Brics Foto: Vladímir Fedorenko/RIA Nóvosti

Fundo de US$ 100 bilhões é destinado a manter a estabilidade financeira dos membros do grupo. Em caso de problemas com liquidez, os países do grupo poderão prestar apoio mútuo em dólares americanos por um determinado período.

Em sessão plenária na sexta-feira passada (24), a Duma de Estado (câmara baixa do Parlamento russo) ratificou por unanimidade o acordo de criação do fundo de reservas cambiais do Brics. No total, 442 deputados participaram da votação.

O fundo, destinado a manter a estabilidade financeira dos países do Brics em "contingências financeiras", terá um valor inicial de 100 bilhões de dólares. Desse montante, a China contribuirá com 41 bilhões de dólares, a África do Sul, com US$ 5 bilhões, enquanto Brasil, Índia e Rússia aplicarão US$ 18 bilhões cada.

Em caso de problemas com liquidez, os países do grupo poderão prestar apoio mútuo em dólares americanos por um determinado período, com condições de pagamento e reembolso pré-determinadas. Os parâmetros das operações serão definidos por acordos bilaterais entre os bancos centrais dos países.

Também foram estabelecidos limites para utilização dos recursos do fundo. A China, por exemplo, utilizará como base o multiplicador individual de 0,5 do valor do depósito, enquanto a África do Sul usará o multiplicador de 2. Nos casos do Brasil, da Índia e da Rússia, esse índice é de 1.

O país poderá utilizar até 30% do limite individual mediante solicitação. Os 70% restantes ficarão disponível apenas se o país mutuário assinar um acordo de estabilização com o FMI e cumprir com as obrigações acordadas.

A expectativa é que o país que preside o Brics no ano em questão assuma a função de gerir o fundo por meio de um conselho administrativo, formado por um comitê permanente e um coordenador.

 

Publicado originalmente pela agência Ria Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.