Grécia pode alavancar levantamento de embargos

Premiê grego esteve em visita oficial a Moscou nesta quarta-feira (8). Foto: Aleksêi Nikolski / Ria Nóvosti

Premiê grego esteve em visita oficial a Moscou nesta quarta-feira (8). Foto: Aleksêi Nikolski / Ria Nóvosti

Após visita do premiê grego Aléxis Tsípras a Moscou nesta quarta-feira (8), presidente russo falou sobre a necessidade de "acabar com a guerra das sanções". Pútin ainda sugeriu anulação de créditos gregos com investimentos do país e participação em possíveis privatizações que Atenas possa realizar, além da criação de joint ventures.

Em visita a Moscou nesta quarta-feira (8), o premiê grego Aléxis Tsípras afirmou que a Grécia poderá entrar em acordo com a Rússia para que essa levante o embargo contra seus produtos alimentícios.

"Acho que, se houver vontade política, sempre podemos encontrar uma solução", disse.

O premiê também afirmou que a Grécia enfrentou dificuldades significativas com a exportação de seus produtos à Rússia.

"Os objetivos de ambos os países, tanto a Rússia como a Grécia, é o desenvolvimento expressivo e a parceria no setor agrário", disse Tsípras em coletiva à imprensa.

O presidente russo, porém, ressaltou que Moscou não pode abrir exceção para um único país na questão do levantamento dos embargos aos países que impuseram sanções.

"Mas falamos sobre a ampliação das parcerias por meio da criação de joint ventures. Nesse caso, não causaremos danos a nossos produtores rurais porque eles serão atraídos a esse processo. E o melhor meio de fazê-lo é acabando com essa guerra de sanções", disse.

Ajuda financeira russa

Ao final da reunião com Tsípras no Kremlin, o presidente russo Vladímir Pútin afirmou em coletiva que o premiê não visitou o país para pedir ajuda.

"Mas no caso da execução de grandes projetos, inclusive na esfera energética podem surgir situações em que questões de crédito poderiam ser resolvidas em um contexto mais amplo", disse Pútin.

"Se formos realizar projetos que trarão receita da Grécia, essa pode ser encaminhada para a anulação dos créditos gregos", explicou o presidente.

O presidente ainda disse que se Atenas começar uma onda de privatização, então "as companhias russas estão prontas a participar dos lances".

"Há interesse na esfera infraestrutural: portos, aeroportos, dutos. Estamos prontos a trabalhar no setor industrial", disse Pútin.

No início do dia, o jornal Kommersant divulgou que Moscou poderá fornecer crédito à Grécia em troca de determinados ativos, entre eles, da companhia de gás DEPA, da operadora de linhas férreas TrainOSE e de portos marítimos de Atenas e Salonica.

 

Com informações da agência Ria Nôvosti e do jornal RBC.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.