“Não queremos competir com o Ocidente nem erguer uma nova Cortina de Ferro”

O líder disse também achar natural que muita coisa na Rússia esteja associada a seu nome Foto: TASS

O líder disse também achar natural que muita coisa na Rússia esteja associada a seu nome Foto: TASS

Em entrevista à agência TASS, o presidente russo Vladímir Pútin falou sobre interesses políticos, reeleição e retomada da Crimeia, entre outros temas polêmicos. Confira abaixo os principais destaques da conversa com o líder russo na série especial “Figuras do Estado”.

Interesses geopolíticos e agenda própria

“Nós não precisamos competir [com o Ocidente]. (...) Temos que implementar calmamente a nossa agenda. Mas se a Rússia começa a falar sobre isso, a proteger as pessoas e os seus interesses, logo vira um país mau.

Mal a Rússia fica de pé, ganha força e começa a reivindicar o direito de defender os seus interesses, e imediatamente muda-se a atitude em relação ao próprio Estado e a seus líderes.

Não devemos reforçar nem dramatizar [a situação]. Precisamos entender que o mundo está construído dessa forma. Que essa é uma luta por interesses geopolíticos, atrás dos quais está a importância do país e a sua capacidade de gerar uma economia nova, de resolver os problemas sociais e melhorar o nível de vida dos seus cidadãos.

A luta pelos interesses geopolíticos fortalece o país e o torna mais eficaz na resolução de questões financeiras, de defesa, econômicas e, consequentemente, sociais, ou então que faz com que o país escorregue para o nível de nações de pouca importância, perdendo a oportunidade de defender os interesses do seu povo.”

Isolamento

“Nós não construímos e não construiremos [ barreira para isolar a Rússia do resto do mundo]. Entendemos o quão destrutiva uma cortina de ferro é para nós. Também na história de outras nações houve períodos em que países tentaram se isolar do resto do mundo, tendo pago um preço muito alto por isso – quase a sua total degradação e colapso. De modo algum estamos indo por esse caminho, e ninguém está construindo nenhum muro em volta da gente. É impossível isso acontecer.”

Diferenças no G7

“Não, não sinto [desconforto quanto ao esfriamento das relações com o grupo dos 7]. O que eu preciso é obter resultados. (...) Sabe, se quisermos cumprimentar uns aos outros com uns tapinhas no ombro, tratar todo mundo por amigo e realizar encontros do G8, mas todo o valor dessas conversas informais se resumir à autorização para nos sentarmos juntos, sem levar em conta os nossos interesses nem a posição da Rússia na solução de algumas questões essenciais, então para que precisamos daquilo?”

Reeleição

Questionado se pretendia permanece no poder para sempre, Pútin foi enfático: “Não. (..) Isso é errado, é ruim para o país e eu não preciso disso.”

“Existe a possibilidade de eu me candidatar novamente. A Constituição permite, mas isso, de modo algum, significa que eu vá tomar essa decisão. (...) Vou partir do contexto geral, da compreensão interna, do meu próprio estado de espírito”, disse o presidente, acrescentando ser cedo para pensar nisso.

Poder soberano

“É uma opinião equivocada, um engano [de que tudo na Rússia depende dele]. As coisas não são assim. Apenas parece que tudo depende do chefe de Estado.”

No entanto, Pútin reconheceu que em algumas questões em que não há consenso “surge, de fato, a necessidade de intervir. Mas dizer que é o presidente que resolve sempre todas as questões e que tudo depende dele...Isso não é verdade.”

O líder disse também achar natural que muita coisa na Rússia esteja associada a seu nome. “O chefe de Estado, a principal figura política da nação, é sempre associado com o país de uma ou outra forma e isso não se aplica exclusivamente à Rússia.”

Estratégia na Crimeia

Questionado sobre as consequências das ações russas na Crimeia, Pútin não titubeou: “Foi uma decisão estratégica”.

“Quando o russo sente que a razão está a seu lado, ele se torna invencível. (...) Agora, se nós sentíssemos que em algum lugar – e peço desculpa pela linguagem – fizemos porcaria e fomos injustos, então tudo estaria por um fio. Quando não existe convicção em nossos atos, isso leva a movimentos perigosos. Neste caso concreto, eu não tenho dúvidas”, acrescentou o presidente.

 

Publicado originalmente pela agência Tass


Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.