“O papa não me parece um visionário”, diz Primakov

"Sem dúvida, um dos “pontos mais quentes”, talvez a situação mais séria, refere-se às atividades agressivas da organização Estado Islâmico", diz Primakov Foto: Oléssia Kurliáieva/RG

"Sem dúvida, um dos “pontos mais quentes”, talvez a situação mais séria, refere-se às atividades agressivas da organização Estado Islâmico", diz Primakov Foto: Oléssia Kurliáieva/RG

Em entrevista ao jornal “Rossiyskaya Gazeta”, o acadêmico Evguêni Primakov, falou sobre a possibilidade de uma nova Guerra Fria e quais são as maiores ameaças à paz atualmente. Primakov, que já foi primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores da Rússia, contestou também o posicionamento do Papa e as comparações entre o ebola e a Rússia feitas por Obama.

Rossiyskaya Gazeta: Cinco anos atrás o senhor disse: “É necessário ter um bom relacionamento com a Ucrânia. Não podemos perder a Ucrânia sob qualquer cenário político. Devemos nos aproximar continuamente naquilo que for possível”. Por que isso não deu certo? O que ocorrerá no futuro?

Evguêni Primakov: Não nego ter dito essas coisas cinco anos atrás. A aproximação e o consenso com a Ucrânia permanecem, antes de tudo, nos interesses nacionais do povo e do Estado russo. Nada mudou quanto a isso. Ocorre que há mudanças situacionais na própria Ucrânia e em torno dela. Em relação ao futuro, tenho otimismo – limitado, por enquanto.

RG: Dizem que os acontecimentos na Ucrânia são o gatilho para uma nova Guerra Fria, estabelecendo um novo equilíbrio de poder no mundo...

EP: Não concordo com as suposições de que, inevitavelmente, teremos uma nova Guerra Fria. O desentendimento atual com o Ocidente não tem essa conotação, considerando que naquela época existiam dois grupos de Estados com posições ideológicas opostas, liderados respectivamente pelos Estados Unidos e pela União Soviética. Havia também a ameaça constante da guerra “se tornar quente”.

Atualmente não existe esta composição. No entanto, ocorreram inegáveis mudanças no mundo em conexão com a crise na Ucrânia – isso não pode ser ignorado. A Rússia tem se mostrado um país capaz de proteger seus interesses nacionais em um mundo multipolar. Os Estados Unidos e seus aliados europeus não gostam disso, mas esse é o curso objetivo da história.

RG: Recentemente,o Papa Francisco disse que o mundo vive Terceira Guerra Mundial “em partes”. Seria apenas uma metáfora? 

EP: Não compartilho das opiniões daqueles que acreditam estar ocorrendo a Terceira Guerra Mundial. O Papa não me parece um visionário.

RG: Imagine agora um mapa onde seria possível indicar todos os “pontos quentes” do planeta. Quais são os mais perigosos ao mundo e à Rússia?

EP: Sem dúvida, um dos “pontos mais quentes”, talvez a situação mais séria, refere-se às atividades agressivas da organização Estado Islâmico (EI). Ocorre que, em primeiro lugar, ela é um ímã para radicais islâmicos de diferentes países. O EI já controla uma parte significativa do Iraque e da Síria, mas principalmente do Iraque.

Em segundo lugar, essa organização não se limita em estabelecer um califado em algum país árabe, mas quer expandir seus intentos a todos os territórios de população muçulmana. E, como sabemos, há muitos.

Em terceiro lugar, os Estados Unidos não se afastaram de sua política incoerente de eliminar o regime de Bashar al Assad  nem conciliaram suas relações com Irã. Também não fizeram tudo que podiam para cativar os sunitas em sua luta contra o Estado Islâmico. Um mero bombardeio não consegue derrotar o EI. Isso requer um esforço global.

RG: O presidente norte-americano BarackObama considera que o vírus ebola, as ações da Rússia na Europa e o EI são as grandes ameaças globais na atualidade. O que Obama busca com essas declarações?

EP: Deixe essas declarações pesarem na consciência de Obama. Elas são, no mínimo, incoerentes.

 

Publicado originalmente pelaRossiyskaya Gazeta

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.