“Devolução da soberania à Crimeia é a base do seu futuro”, diz Gorbatchov

Gorbatchov disse ainda que a iniciativa tomada pelos habitantes da Crimeia poderá servir de exemplo também para a maioria da população de origem russa residente na região sul da Ucrânia Foto: Photoshot/Vostock Photo

Gorbatchov disse ainda que a iniciativa tomada pelos habitantes da Crimeia poderá servir de exemplo também para a maioria da população de origem russa residente na região sul da Ucrânia Foto: Photoshot/Vostock Photo

O polêmico referendo realizado na Crimeia no ultimo domingo (16) revelou a intenção da maioria da população em reanexar a península ao território russo. O ex-presidente da União Soviética, Mikhail Gorbatchov, que muitos consideram culpado pela queda da URSS e consequente perda da Crimeia, compartilhou suas considerações sobre o assunto.

“Todos os acontecimentos recentes na região foram provocados pela vontade dos seus moradores, e eu apoiei a iniciativa de realizar um referendo para demonstrar a sua prontidão de voltar a fazer parte da Rússia e desmentir as versões de reanexação forçada da península pelo governo russo”, declarou Mikhail Gorbatchov em meio à assinatura do acordo de adesão. “A devolução da soberania à Crimeia é a base do seu futuro (...) É a liberdade de escolher, um direito indispensável de qualquer sociedade.”

Em sua opinião, é preciso agora evitar a intervenção armada das partes que se opõem à Rússia, já que tais provocações não levam em consideração o futuro nem da Ucrânia nem da Crimeia. “O maior erro que a Rússia seria começar uma guerra contra a Ucrânia, isso seria um verdadeiro absurdo”, acrescentou.

O primeiro presidente soviético acredita que a situação na Crimeia só pode ser resolvida na base de um acordo entre os países ocidentais, a Rússia e a Ucrânia. “Moramos em um aldeia global, onde todos dependem e são responsáveis um por outro. No decorrer do tempo, as ligações entre os países apenas se fortalecem e seria um grande erro não levar isso em consideração.”

A posição do presidente americano Barack Obama, que tratou o referendo da Crimeia como uma iniciativa ilegítima, foi bastante criticada por Gorbatchov. “Ele precisa superar a sensação da superioridade adquirida pela nação norte-americana após o término da Guerra Fria, quando falava-se muito sobre a necessidade de estabelecimento de uma nova ordem mundial”, explicou.

Segundo ele, essa posição provocou agressão por parte dos Estados Unidos em relação a outras nações que não aceitaram a ideia da sua superioridade. “Os americanos precisam superar essa síndrome nociva e reformar o seu país”, disparou.

Apesar de ter elogiado a recente atuação do presidente russo Vladímir Pútin, Gorbatchov deixou claro que não apoia todas as suas iniciativas. “Fiquei impressionado com o trabalho de Pútin no início do seu governo (...) Porém, aos poucos, ele começou a se tornar um novo ditador. As autoridades não confiam na população e desestimulam a sua participação na vida política”, explicou.

Gorbatchov disse ainda que a iniciativa tomada pelos habitantes da Crimeia poderá servir de exemplo também para a maioria da população de origem russa residente na região sul da Ucrânia.

 

Publicado originalmente pelo Slon.ru

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.