Sevastopol, o porto seguro do Exército russo

Atualmente, 25 mil militares russos vivem na região Foto: Serguêi Savostianov/RG

Atualmente, 25 mil militares russos vivem na região Foto: Serguêi Savostianov/RG

Entenda a relação da Rússia com a região e por que o país precisa de uma base naval nas proximidades do mar Negro.

Ao longo da história, Sevastopol conquistou a fama de fortaleza inacessível para os inimigos. A cidade foi fundada por ordem da imperatriz russa Catarina II, a Grande, na costa sudoeste da península da Crimeia, onde havia ruínas da Grécia Antiga. A própria imperatriz escolheu o nome que significava “cidade grandiosa”  ou “sagrada”. O verdadeiro motivo para fundar uma cidade no local foi a existência de 30 baías profundas e protegidas de vento. A região tornou-se, então, a principal base russa do Mar Negro por muitos anos.

A Segunda Guerra Mundial foi a época mais difícil em toda a história da cidade. Os soldados do Exército Vermelho e os marinheiros da Frota do Mar Negro conseguiram resistir por 250 dias, mas Sevastopol acabou sendo conquistada pelos nazistas. Quando a guerra chegou ao fim, Sevastopol recebeu uma posição especial na hierarquia republicana da União Soviética. 

Mas uma iniciativa tomada pelo secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética, Nikita Khruschov, anexou a cidade de Sevastopol e a Crimeia ao território ucraniano, sem provocar mudanças significativas nas atividades da região. As autoridades ucranianas não foram autorizadas a interferir nos assuntos ligados ao governo local, pois, sendo considerada uma das principais bases navais da União Soviética, a cidade era supervisionada pelo Ministério da Defesa.

No início dos anos 1990, a realidade de Sevastopol e Crimeia sofreram mudanças drásticas devido à queda da União Soviética e a consequente independência da Ucrânia. Sete anos mais tarde, as autoridades russas e ucranianas assinaram o Tratado de Amizade e Cooperação, no qual a Rússia  reconhece Sevastopol como uma cidade ucraniana e fica obrigada a respeitar as fronteiras do país, enquanto a Ucrânia autoriza o uso da base naval de Sevastopol pelas forças armadas russas, assim como a permanência de sua Frota do Mar Negro na Crimeia até 2017.

Atualmente, 25 mil militares russos vivem na região, sem contar os familiares e os empregados departamentos da frota marítima não pertencentes às forças armadas. Outro acordo entre a Ucrânia e a Federação Russa, assinado em 1997, autorizam também a permanência de até 388 navios russos nas águas territoriais e região terrestre, e 161 aeronaves nos campos de pouso e decolagem nas cidades de Gvardeiski e Sevastopol.

Apesar de a quantidade de equipamentos militares russos autorizados a permanecer em território ucraniano corresponder ao poder das forças navais da Turquia, o Exército russo escolheu a transferência de apenas uma parte deles para a sua base do Mar Negro. O prazo de validade do presente contrato é de 20 anos, com prorrogação automática a cada cinco anos em caso de ausência de notificação escrita por uma das partes com, no mínimo, um ano de antecedência.

Se não fosse o bastante, um segundo contrato, assinado em 2010, prolongou a permanência da Frota do Mar Negro em Sevastopol até 2042, em troca de 98 milhões de dólares ao ano e um desconto de 100 dólares em cima de cada tonelada do gás natural russo exportada à Ucrânia.

A falta de um centro naval próprio nas proximidades do Mar Negro, assim como as baixas profundidades e ausência de infraestrutura no porto da cidade de Novorossisk, obrigam as autoridades russas a arcar com o aluguel milionário da base ucraniana. Além disso, a frota do Mar Negro possui um objetivo estratégico de proteger a região sul da Rússia, prevenindo o surgimento de porta-aviões dos potenciais inimigos naquelas águas.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.