Sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, Sôtchi foi uma escolha pessoal de Pútin

Vladímir Pútin conta que escolheu pessoalmente o local para a realização das competições esportivas Foto: Reuters

Vladímir Pútin conta que escolheu pessoalmente o local para a realização das competições esportivas Foto: Reuters

Em entrevista feita para um documentário, com trechos divulgados no último domingo (2) por um dos principais canais de televisão da Rússia, o presidente Vladímir Pútin contou como aconteceu a escolha de Sôtchi para sediar as Olimpíadas de Inverno de 2014 e quem considera o principal rival do país nos Jogos.

No dia 7 de fevereiro, após a cerimônia de abertura das Olimpíadas de Inverno, será apresentado na íntegra o documentário "A filosofia do caminho suave", produzido por Serguêi Miroshnichenko, que acompanha alguns dias na vida de pessoas graças às quais os Jogos de inverno na Rússia puderam se tornar realidade.

No documentário, o presidente da Rússia, Vladímir Pútin, conta que escolheu pessoalmente o local para a realização das competições esportivas. Em pé, tendo como pano de fundo a Krasnaia Poliana (vila sob jurisdição do município de Sochi e que atualmente é uma famosa estação de esqui), ele relembra: "Em 2001 ou 2002, vim até aqui em um jipe russo. Percorremos esses lugares, chegamos até aquele rio, e eu disse: ‘vamos começar daqui’”. O presidente também recordou o momento em que o Comitê Olímpico Internacional (COI) se interessou por Sochi. "Eles ouviram tudo e depois disseram: ‘Vamos apoiar a Rússia de hoje, queremos apoiá-la, precisamos de um país assim’", contou Pútin. Para o presidente, o COI viu que os cidadãos da Rússia estavam apoiando o projeto. “Isso também foi um fator muito importante e que nos ajudou a vencer”, acredita.

Quando perguntado sobre quem era o seu principal rival, Putin respondeu em nome de todo o país. "Não vou falar por mim, falarei pela Rússia. A Rússia não possui rivais. A Rússia tem apenas um adversário – ela própria, os nossos problemas internos, as nossas desavenças", salientou.

O chefe de Estado russo chamou de calúnia a afirmação de que os russos não conseguem construir nada: "O povo russo foi capaz de construir um Estado como a Rússia - o maior país do mundo".

"O meu trabalho consiste em descobrir as falhas do país e quando eu chego a algum lugar e começo a verificar, a monitorar algo, é a isso que estou me referindo. Então, isso pode criar a impressão de que não há nada de bom. Mas não é este o caso, absolutamente", explicou Pútin. "Simplesmente, para obtermos aquilo que queremos no final precisamos extrair os problemas, prestar atenção neles e reagir a tempo, e então teremos o resultado que esperamos, isto é, um resultado positivo, sempre", acrescentou o presidente.

Publicado originalmente pela Rossiyskaya Gazeta

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.