Kremlin não vai interferir na situação ucraniana

“Creio que quanto mais mediadores, mais problemas” Foto: Mikhail Klimentiev/RIA Nóvosti

“Creio que quanto mais mediadores, mais problemas” Foto: Mikhail Klimentiev/RIA Nóvosti

A Rússia não vai intervir na situação da Ucrânia, que vem sendo atingida por protestos antigoverno, anunciou o presidente russo Vladímir Pútin após uma conferência Rússia-União Europeia nesta terça-feira (28). Segundo ele, mediadores só trarão novos problemas.

“Como os nossos parceiros europeus reagiriam se no auge da crise, por exemplo, na Grécia ou no Chipre, nosso ministro dos Negócios Estrangeiros aparecesse em um protesto anti-Europa e começasse a se dirigir ao povo”, disse o presidente. “Acreditamos que não seja uma boa ideia.”

O presidente russo disse que duvidava que a mediação russa ou de qualquer outro país fosse necessária da estabilização da crise política na Ucrânia. “Creio que quanto mais mediadores, mais problemas”, acrescentou Pútin.

Segundo ele, as autoridades ucranianas deveriam ser cautelosas sobre o uso de força contra os manifestantes. “Elas só devem recorrer a isso em último caso.”

Uma onda de protestos contra o governo ucraniano eclodiu em Kiev depois de o Parlamento local aprovar uma série de leis em torno das violações de ordem pública. Manifestantes de todo o país se uniram e cercaram diversos edifícios do governo, exigindo a renúncia das autoridades.

 

Publicado originalmente pela agência Itar-Tass

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.