Queda de apoio marca protesto da oposição em Moscou

O protesto de apoio aos presos políticos realizado em Moscou no domingo passado (27) foi autorizado pelo governo de Moscou Foto: RIA Nóvosti

O protesto de apoio aos presos políticos realizado em Moscou no domingo passado (27) foi autorizado pelo governo de Moscou Foto: RIA Nóvosti

Marcha no último domingo (27) reuniu cerca de 5 mil pessoas. No ano passado, manifestações atraíam até 100 mil seguidores. Especialistas acreditam que oposição russa está gradualmente se dividindo em movimentos separados e, assim, perdendo força.

Segundo os organizadores da marcha, o protesto de apoio aos presos políticos foi autorizado pelo governo de Moscou pouco tempo antes do seu começo e apenas após uma demonstração da intenção dos ativistas de prosseguir com a 

O protesto de apoio aos presos políticos realizado em Moscou no domingo passado (27) foi autorizado pelo governo de Moscou pouco tempo antes do seu começo e apenas depois de os ativistas demonstrarem intenção de prosseguir com o evento mesmo sem a permissão das autoridades.

Às duas horas da tarde, horário previsto para a reunião dos participantes da marcha, havia apenas 500 pessoas no centro de Moscou. Porém, quando a manifestação teve início uma hora mais tarde, o número de opositores já chegava a 5 mil pessoas.

Embora o vice-editor-chefe da rádio Eco Moskvi, Vladímir Varfolomeev, tenha parabenizado os organizadores pela reunião pacífica, o número de envolvidos é relativamente baixo quando comparado aos protestos organizados na capital russa ao longo do último ano.

Na opinião de Iliá Konstantinov, vice-diretor do Instituto de Desenvolvimento da Sociedade Civil, o movimento de protestos está diminuindo devido a um conjunto de fatores. “Primeiramente, a ausência de qualquer resultado dos esforços investidos causa desânimo e decepção”, explica o especialista. “Fora isso, a oposição se dividiu. A última marcha não contou com a presença de nenhum representante nem de esquerda nem do movimento nacionalista.”

A socióloga Olga Krichtanóvskaia também aponta para alterações no movimento em si. “O número de representantes da oposição na Rússia está diminuindo e eles estão se tornando cada vez mais velhos. Os protestos contra o governo atual já perderam a novidade, a quantidade de manifestações aumentou, mas o número de participantes está diminuindo”, diz ela, acrescentando que muitos participantes atuais são jovens extremistas sem um propósito claro.

“As perguntas que foram feitas no final de 2011 e início de 2012 ainda não foram respondidas. Portanto, as manifestações não vão deixar de acontecer, mas levantarão novas bandeiras e serão lideradas por outras pessoas. Enquanto a sociedade exige uma verdadeira democracia, o partido governante continua em silêncio", acrescenta Konstantinov. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.