Tribunal de Kirov suspende pena de Naválni

Apesar da suspensão da pena, Naválni (esq.) declarou que vai recorrer da decisão, já que a decisão do tribunal não comprova a sua inocência Foto: RIA Nóvosti

Apesar da suspensão da pena, Naválni (esq.) declarou que vai recorrer da decisão, já que a decisão do tribunal não comprova a sua inocência Foto: RIA Nóvosti

Acusado de desviar fundos de empresa estatal, líder da oposição e ex-candidato à prefeitura de Moscou poderá continuar suas atividades políticas.

Nesta quarta-feira (16), o Tribunal Regional de Kirov, que analisou o recurso do líder da oposição Aleksêi Naválni e do empresário Piotr Ofitserov, decidiu suspender a pena referente ao desvio de fundos da madeireira estatal Kirovles. Ambos sustentavam que a acusação tinha motivações políticas.

Naválni e Ofitserov haviam sido condenados pelo desvio de fundos da empresa estatal Kirovles e condenados a 5 e 4 anos de prisão, respectivamente. Após o anúncio da sentença, a oposição saiu às ruas de Moscou e, no dia seguinte, ambos os homens foram libertados.

Na época, o recurso também permitiu a Naválni participar das eleições para prefeito de Moscou, na qual obteve 27% dos votos, consagrando-se como líder informal da oposição liberal.

Apesar da suspensão da pena, Naválni declarou que vai recorrer da decisão, já que a decisão do tribunal não comprova a sua inocência.

“A suspensão da pena é um compromisso político que não agrada a ninguém”, diz o chefe da Fundação Política de Petersburgo, Mikhail Vinogradov, acrescentando que o famoso opositor ao regime poderá ser prejudicado com a decisão.

“A sentença permite a Naválni participar da vida política e pública do país, mas esse resultado fecha o caminho para uma figura política notável, que tem um forte apoio entre os eleitores de Moscou”, acrescenta Vinogradov.

No entanto, o decano do departamento de Ciência Política da Escola Superior de Economia, Leonid Poliakov, garante que a sentença judicial não altera a situação política de Naválni.

“O veredicto deve ser considerado juntamente com a recente decisão do Tribunal Constitucional da Rússia. A mais alta instância alterou a lei, de modo que uma pessoa que tivesse condenação por crime grave ficaria privada de se candidatar às eleições. Portanto, ele mantém todos os seus direitos políticos”, explica o especialista.

“Talvez, depois do novo recurso retirem a condenação do opositor. No entanto, é preciso não esquecer que Naválni enfrenta uma outra acusação, do caso Yves Rocher Vostok, que não exclui futura pena de prisão”, contrapõe Poliakov.

Naválni pretende organizar um congresso do partido Aliança Popular em breve, assim como participar das futuras eleições para a Duma de Moscou (câmara dos deputados municipais). 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.