“Para contribuir para eleições legítimas decidi defendê-las contra fraudes por conta própria”

Este ano, comissões eleitorais de todos os níveis serão criadas para os próximos cinco anos para atender a quatro eleições russas Foto: RIA Nóvosti

Este ano, comissões eleitorais de todos os níveis serão criadas para os próximos cinco anos para atender a quatro eleições russas Foto: RIA Nóvosti

Motivado pelos protestos contra supostas fraudes nas eleições recentes da Rússia, eleitor que decidiu participar ativamente da fiscalização das votações conta sobre a importância do trabalho das comissões eleitorais.

Os protestos contra as supostas fraudes eleitorais nas eleições legislativas de dezembro de 2011 reivindicaram a realização de eleições honestas. Nas eleições presidenciais de março de 2012, as operações eleitorais foram fiscalizadas por muitos ativistas sociais. Em 2013, iniciou-se a campanha de criação de comissões eleitorais de todos os níveis para os próximos cinco anos. Por que as comissões eleitorais são necessárias e como um cidadão comum pode se tornar membro de uma comissão eleitoral na Rússia?

No dia seguinte às eleições legislativas de 2011, estive entre aqueles que se reuniram no Chistoprúdni Bulevar, no centro de Moscou, para protestar contra supostas fraudes eleitorais. Muitos chegaram depois de ver na internet vídeos revelando ilegalidades no processo eleitoral, entre as quais provocações de toda a espécie, o uso fraudulento de cédulas de votação, a votação em várias mesas eleitorais e outras violações. Poucos se deram o trabalho de verificar a autenticidade dos vídeos postados na internet. Ainda assim, mesmo que um décimo dos vídeos publicados fosse verdadeiro, que dizer então das seções eleitorais onde não houve observadores com filmadoras?

Foi naquele momento que me ocorreu que a única maneira de contribuir para que as eleições fossem legítimas era defendê-las contra as fraudes por conta própria.

Usei o projeto de internet “Rosvíbori” (Eleições Russas) para me inscrever para observador. Preenchi um formulário, deixei meu contato e entrei na fila de espera. Quando chegou minha vez, fiquei sabendo que poderia me tornar delegado de qualquer partido ou candidato. Para tanto, porém, precisava de referências de um dos candidatos. Optei por ser delegado do empresário Mikhail Prókhorov, que se candidatava à Presidência do país.

No dia da eleição, cheguei às 7h à minha seção eleitoral para conhecer os outros observadores e mesários. Passei as 22 horas seguintes (incluindo a contagem dos votos durante cerca de 7 horas) com outros observadores e mesários, fazendo o possível para que ninguém tivesse dúvidas acerca da legitimidade dos resultados da votação em nossa seção eleitoral. A maioria dos observadores era inexperiente como eu. O risco de fraude estava sempre presente. Recebíamos regularmente avisos via e-mail informando sobre ilegalidades em outras seções eleitorais e grupos de pessoas tentando votar em várias seções eleitorais. Apesar de tudo, conseguimos defender nossa seção eleitoral contra fraudes.

No próximo dia 8 de setembro, 3.411 seções de votação vão receber eleitores para eleger o prefeito de Moscou. Dessas, apenas 1.035 terão um sistema eletrônico de soma de votos. As restantes seções vão precisar de observadores. Desejando não perder um evento eleitoral tão importante como esse, me inscrevi para acompanhá-lo e fui promovido a membro da comissão eleitoral com voto deliberativo.

Tornar-se membro de uma comissão eleitoral é um passo lógico para qualquer observador. Os observadores fazem parte de uma comissão eleitoral, participam de todas as votações sobre as questões organizacionais, não podem ser retirados das seções eleitorais, participam da distribuição de cédulas eleitorais e da contagem de votos e assinam a ata das operações de votação e apuração. O observador pode fazer uma reclamação junto a um mesário com voto deliberativo. A dupla observador-mesário é um instrumento de controle do processo eleitoral muito eficaz.

Minha promoção a membro de comissão eleitoral também foi feita através do “Rosvibori”. Recebi um telefonema do coordenador de meu bairro e fui admitido para a vaga reservada ao partido Rússia Justa. Mas isso não significa que o mesário seja obrigado a defender os interesses de sua sigla. Como o observador, o mesário é um ator independente do processo eleitoral. Todos os mesários trabalham como equipe única, apesar de representarem formalmente partidos diferentes, pois seu objetivo comum é tornar as eleições legítimas.

Este ano, comissões eleitorais de todos os níveis serão criadas para os próximos cinco anos para atender a quatro eleições russas: para prefeito, presidência do país, Assembleia Legislativa de Moscou e para o Parlamento do país.

Os interessados podem se inscrever para vagas de observador no “Rosvíbori” em cinco minutos. Em poucos dias de treinamento, aprendem todos os tipos de situações para se sentirem seguros durante as operações de voto.  

Alguns dias de treinamento e um dia de trabalho intenso em uma seção eleitoral não são um preço demasiado alto pelo sentimento de cumprir seu dever cívico. Se existe a possibilidade de tornar as eleições mais abertas, mais legítimas e mais organizadas, os eleitores devem aproveitá-la. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.