"Queremos desenvolver Moscou de acordo com o conceito de uso múltiplo"

Andrêi Charonov, presidente do Comitê Executivo do Fórum Urbano de Moscou Foto: serviço de imprensa

Andrêi Charonov, presidente do Comitê Executivo do Fórum Urbano de Moscou Foto: serviço de imprensa

Vice-prefeito de Moscou, Andrêi Charonov, que representou Moscou na última edição do World Cities Summit, falou à Gazeta Russa sobre os desafios da cidade e de suas expetativas para a próxima edição, em 2015.

Na última semana, o centro cultural e de entretenimento Alhóndiga Bilbao, em Bilbao, Espanha, sediou o “World Cities Summit Mayors Forum”. O evento reuniu representantes de cidades e regiões metropolitanas de todo o mundo sob o tema "Cidades Habitáveis e Sustentáveis: Desafios Comuns, Soluções Compartilhadas."

Moscou foi representada pelo vice-prefeito para os assuntos econômicos da capital russa, Andrêi Charonov, responsável pelo orçamento, desenvolvimento industrial, serviços e comércio.

Desde 2012, Charonov é o presidente do Comitê Executivo do Fórum Urbano de Moscou.

Charonov conversou com a Gazeta Russa.

Gazeta Russa - Quais são os problemas mais comuns das grandes cidades?

Andrêi Charonov - Existem algumas diferenças entre as cidades desenvolvidas e em cidades em desenvolvimento, mas existem problemas comuns para todas as grandes cidades. Transporte, educação, espaços públicos e a economia inovadora são alguns deles.  

Moscou tem problemas específicos?

Na capital russa, o problema mais urgente é o transporte. Quando foi planejada a rede de transporte moderno, há cerca de 70 anos, as autoridades calcularam três carros para cada 100 pessoas. Agora, cada 100 pessoas tem cerca de 38 carros.

Em Manhattan, há 110 carros para cada 100 pessoas, mas esse bairro de Nova York não tem problemas com transporte, porque as pessoas usam carros apenas para sair da cidade nos fins de semana, e não vão de carro para o trabalho todos os dias. 

O número de carros registrados em Moscou já ultrapassou 4 milhões. Além disso, temos que adicionar os carros que chegam de outras regiões. O nosso objetivo principal é desenvolver o transporte público, especialmente o sistema de metrô.

O metrô de Moscou tem de 81 anos, 300 km de extensão e cerca de 150 estações. O nosso programa prevê o aumento da capacidade em 50% durante os próximos sete anos. Isso significa que teremos que construir 150 quilômetros de novas linhas e mais de 70 novas estações até 2020.

Os investimentos anuais no desenvolvimento da rede de transporte público de Moscou ultrapassam US$ 12 bilhões, são as maiores despesas do orçamento da cidade. Esse orçamento inclui metrô, construção de novas estradas, compra de novos ônibus, ônibus elétricos, bondes e subsídios para as empresas de ônibus e metrô.

Outro problema notável é a ordenação dos espaços públicos. Toda a cidade deve ser atraente, habitável e confortável, tanto para os cidadãos como para os visitantes.

"Na capital russa, o problema mais urgente é o transporte. Quando foi planejada a rede de transporte moderno, há cerca de 70 anos, as autoridades calcularam três carros para cada 100 pessoas. Agora, cada 100 pessoas tem cerca de 38 carros"

Moscou é uma cidade muito industrial e está realizando o processo de regeneração das zonas industriais. Em Moscou, existem 209 zonas desse tipo, que ocupam uma área de aproximadamente 7.700 hectares. Isso representa um enorme potencial para o desenvolvimento da cidade de acordo com o conceito de uso múltiplo. Não queremos repetir as ideias de gueto, seja a criação de guetos industriais ou guetos para viver. Nesses lugares gostaríamos de criar centros de educação, lojas, parques etc. 

O conceito de uso múltiplo não é uma invenção nossa, é uma abordagem moderna de qualquer megalópole.

De outro lado, como qualquer outra cidade, queremos atrair novos investimentos, mas não apenas o dinheiro para a construção, mas também "dinheiro inteligente", que poderia nos ajudar a desenvolver áreas inovadoras.

Estamos criando uma infraestrutura especial, como, por exemplo, parques tecnológicos, parques industriais e zonas econômicas especiais com benefícios fiscais e administrativos para aqueles que querem desenvolver empresas inovadoras, tanto para os residentes e empresas responsáveis pelo desenvolvimento da infraestrutura. Além disso, também temos um grande potencial científico.

Eu acho que é importante mencionar que Moscou tem o terceiro maior orçamento entre as capitais do mundo: US$ 52,4 bilhões. O orçamento de Moscou é duas vezes maior do que o orçamento de toda a Ucrânia

Moscou é considerada uma das cidades mais caras do mundo. Como você pode avaliar o nível de vida na capital russa?

Em primeiro lugar é preciso dizer que a renda média em Moscou é duas vezes maior do que em qualquer outra região da Rússia. Isso é o fator principal para oferecer produtos e serviços mais caros, os cidadãos estão dispostos a pagar mais do que em outras cidades do país.

"Moscou é uma cidade muito industrial e está realizando o processo de regeneração das zonas industriais. Em Moscou, existem 209 zonas desse tipo, que ocupam uma área de aproximadamente 7.700 hectares"

Ao mesmo tempo temos um problema que herdamos da antiga União Soviética, a falta de competividade. Na época soviética vivíamos nas condições de uma economia planificada, sem concorrência real. Agora estamos vendo progresso em algumas áreas.

Provavelmente o progresso maior foi no setor de alimentação. Surgiram muitos novos cafés e restaurantes, o que influencia os preços e aumenta a qualidade. É bom para a competividade.

No entanto, em outras áreas ainda vemos oligopólios, algo que estamos tentando mudar promovendo concorrência mais justa.

A prefeitura de Moscou investe cerca de 5% do orçamento em inovação. Você já conquistou algo interessante na área?

Essa decisão foi tomada pelo prefeito de Moscou apenas no ano passado. Dentro do orçamento total para aquisições (cerca de US$ 23 bilhões), cada entidade do governo de Moscou deve gastar os 5% em bens e serviços inovadores.

Uma das novidades neste ano foi a iluminação de baixo consumo.

Qual foi a sua contribuição pessoal no fórum?

É a segunda vez que represento Moscou. Eu compartilhei experiências com os líderes de outras cidades e especialmente com as organizações internacionais que têm uma grande experiência em questões e programas de desenvolvimento de megalópoles. 

Eu falei sobre a infraestrutura inovadora de Moscou, sobre o desenvolvimento de zonas periféricas da cidade e sobre o próximo fórum, em 2015, que Moscou quer sediar.

"O metrô de Moscou tem de 81 anos, 300 km de extensão e cerca de 150 estações. O nosso programa prevê o aumento da capacidade em 50% durante os próximos sete anos"

Tenho a intenção de convidar os líderes de outras cidade para o Fórum Urbano de Moscou, que será realizado de 5 a 7 de dezembro. Desde sua primeira edição, em 2011, esse fórum representa um espaço moderno e atraente para a discussão.

Nesse ano, contará com a presença de 1.800 pessoas de todo o mundo. O primeiro dia será o dia internacional, falaremos sobre experiências internacionais e realizaremos uma análise comparativa das cidades. O segundo dia será dedicado a Moscou, quando discutiremos os problemas da capital russa. Finalmente, o terceiro dia será o festival da cidade, para mostrarmos Moscou aos participantes do fórum. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.