Esforço triplo contra a crise do gás

Ilustração: Konstantin Maler

Ilustração: Konstantin Maler

Na noite de 31 de outubro, Rússia e Ucrânia, com o apoio da União Europeia, chegaram a um consenso sobre o preço do gás, o total da dívida e as condições de pagamento de futuros fornecimentos. Para Günther Oettinger, que deixou o cargo de comissário europeu de Energia, esse era um tema importante. Agora só resta esperar que as três partes cumpram as premissas do acordo.

A implementação dos acordos de Bruxelas para fornecimento de gás à Ucrânia começou no dia 5 de novembro, quando a petrolífera Naftogaz transferiu US$ 1,45 bilhão para a russa Gazprom – criando, assim, um clima positivo para os participantes diretos e indiretos do conflito russo-ucraniano.

Enquanto a Naftogaz teve o preço do gás fixado até o final de março de 2015, em US$ 378 por mil metros cúbicos, e garantia da obtenção de gás nos meses de inverno em condições de pagamento antecipado, a Gazprom receberá parte da dívida relativa aos fornecimentos anteriores de gás à Ucrânia (US$ 3,1 bilhões) até o final de dezembro e está pronta para fornecer mais 4 bilhões de metros cúbicos por um preço fixo.

Paralelamente, a União Europeia recebe garantias de fornecimento ininterrupto de gás russo nas quantidades necessárias, pois a Ucrânia já não vai mais desviar o gás destinado aos clientes europeus para atender às suas próprias necessidades. Pode-se dizer, portanto, que as três partes se beneficiaram.

O mais interessante nisso tudo é que o mesmo resultado poderia ter sido obtido ainda no meio do ano. Em junho passado, também foi discutido fixar o preço do gás entre US$ 360 e 380, e também já havia uma discussão sobre o pagamento antecipado. Porém, a Ucrânia adiava as negociações – sob a pressão dos Estados Unidos ou por decisão própria –, achando que a Rússia poderia, assim como antes, fazer concessões e continuar o fornecimento de gás, apesar da dívida acumulada.

Nesse contexto, o comissário europeu de Energia, Günther Oettinger, desempenhou um papel crucial: foi ele que insistiu que as partes finalmente sentassem à mesa. Por um lado, a pressão da Comissão Europeia se explica pela aproximação do inverno e a necessidade de maior volume de gás. Por outro, era importante que as negociações fossem concluídas exatamente durante a gestão do Oettinger, antes que ele deixasse o cargo no início de novembro.

A pressão da Comissão Europeia sobre os representantes da Ucrânia durante as conversações ocorridas em Bruxelas evidenciou o reconhecimento pelos europeus dos requisitos da Gazprom em todos os principais pontos das negociações: preço do gás, pagamento da dívida e novas condições de pagamento. Mesmo assim, as negociações quase fracassaram mais uma vez por causa dos representantes ucranianos, que apresentaram contrapropostas de preço e condições de entrega. A posição rigorosa de Oettinger foi determinante para concluir com sucesso as negociações,

Os três bilhões da dívida que a Ucrânia pagará para a Gazprom são dinheiro do FMI (Fundo Monetário Internacional), e não da União Europeia. Além disso, a Ucrânia deverá arcar com seus próprios recursos o montante a ser repassado como pré-pagamento pelo fornecimento de gás. Pelo recente acordo, a Ucrânia terá que pagar em dinheiro ou apresentar garantias bancárias. E exatamente nessa fase pode aparecer uma nova rodada de problemas.

Os empréstimos totais do FMI para a Ucrânia já chegaram a 20 bilhões de euros. Para o pré-pagamento de 4 bilhões de metros cúbicos de gás será necessário desembolsar mais quase US$ 1,5 bilhão. O contrato em si é equilibrado, o preço de gás corresponde aos preços médios europeus, a Europa reduziu bastante os riscos para o fornecimento de gás russo no inverno através da Ucrânia, e os ucranianos obtiveram a oportunidade de resolver problemas de aquecimento, eletricidade e água quente nas maiores cidades nos meses frios. O futuro dos acordos depende agora de sua exata execução pelas partes.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies