A herança russa na cúpula do G-20 em Brisbane

Ilustração: Aleksêi Iórch

Ilustração: Aleksêi Iórch

Além de temas novos, como energia e ebola, cúpula trará resultados de 2013, Rússia presidiu cúpula.

O crescimento global do PIB em 2% acima do nível atual, bem como o estímulo ao emprego e à criação de postos de trabalho serão temas principais da cúpula do G-20 em Brisbane, na Austrália, entre 15 e 16 de novembro.

O principal objetivo da Austrália para este ano é a construção de estratégias conjuntas de crescimento em quatros áreas principais de desenvolvimento de todos os países do G-20: investimentos, empregos, comércio e concorrência.

A maior parte das medidas elaboradas é nova, em comparação com aquelas que foram anunciadas no ano passado.

Também serão também discutidas medidas para a reforma da arquitetura financeira moderna, o sistema de regulação financeira e o sistema fiscal.

Os tópicos de financiamento de investimentos e de ações conjuntas para combater a evasão fiscal e a erosão da base tributária foram colocados na agenda pela primeira vez durante a presidência da Rússia.

Herança russa

Em todas essas áreas foram alcançados resultados significativos. O plano de política tributária já foi parcialmente cumprido e a mesma dinâmica se nota na troca automática de informações fiscais.

Na área da regulação financeira ainda há muito trabalho a ser feito, mas já foram alcançados resultados significativos na melhoria da estabilidade das instituições, na área de redução de riscos associados com o “shadow banking” e na transição para condições mais seguras do funcionamento do mercado de instrumentos financeiros derivados.

O trabalho conjunto já está além da regulamentação bancária. Estamos nos aproximando de um trabalho coordenado de harmonioso de nossos órgãos reguladores dos mercados financeiros.

Energia

A cúpula também será plataforma para a discussão de outras questões muito importantes. Pela primeira vez serão discutidas questões sobre energia.

Chegou a hora de refletir sobre a inadequação das instituições internacionais de energia às realidades que observamos nesse setor. O papel das economias emergentes, que hoje não são representadas nas instituições globais de energia e, consequentemente, não podem influenciar sua tomada de decisões, deve ser reforçado.

Está mudando o papel dos fornecedores e consumidores de energia tradicionais. Tudo isso se reflete no equilíbrio de poder, mas ao mesmo tempo, as instituições tradicionais atualmente não oferecem oportunidades para um diálogo de qualidade, portanto é muito bom que o G-20 tenha começado a desenvolver esse tema.

Os desafios atuais para o desenvolvimento econômico e social do mundo, como, por exemplo, a disseminação do ebola, também estarão entre os temas da cúpula.

 

Svetlana Lukach é a assessora governamental russa nomeada ("sherpa") na Cúpula de Brisbane

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.