A culpa não é de ninguém: reflexões acerca da crise russo-ucraniana

Ilustração: Natália Mikhailenko

Ilustração: Natália Mikhailenko

Enquanto ambos os lados justificarem as mortes de seus inimigos, as guerras continuarão se espalhando.

Não entendo os motivos que fazem os russos atravessarem a fronteira e lutarem em solo estrangeiro. Não entendo as razões que fazem a artilharia ucraniana lançar fogo sobre as cidades. Não entendo os motivos que impedem as pessoas no mundo todo, inclusive no meu próprio país, a saírem de casa para protestar contra as guerras. Por que a sociedade civil da Rússia deixa de exigir o fechamento das fronteiras para dificultar a entrada dos integrantes de "tropas irregulares"? Por que a sociedade civil da Ucrânia não se manifesta a favor de um cessar-fogo que salvaria as vidas de milhares de civis nas cidades alvos de artilharia?

Eu não entendo essa guerra e não quero compreendê-la. Além disso, eu não desejo mais debater sobre o assunto, e já faz tempo que estou evitando discutir o problema nas redes sociais, pois qualquer conversa em relação a ele exige que eu me posicione a favor de um dos lados.

É a natureza do ser humano: se acreditamos em algo, tentamos provar o nosso ponto de vista com o único objetivo de encontrarmos desculpas para explicar a morte, a dor ou o sofrimento alheios. Um avião ucraniano foi derrubado, deixando dezenas de mulheres viúvas e crianças órfãs, mas a responsabilidade é dos próprios ucranianos, afinal, é apenas uma resposta aos bombardeiros da república autoproclamada e do prejuízo sofrido pela sua população civil.

O fogo de artilharia foi lançado sobre uma cidade, resultando em dezenas de mortes, porém os "terroristas e separatistas" são os verdadeiros responsáveis pela dor e medo, as forças armadas ucranianas estavam apenas tentando restabelecer a ordem. E se alguém parar e tentar clamar por compaixão, uma das primeiras perguntas será sobre o seu lado nesta guerra.

Os participantes de um conflito não podem ser divididos em culpados e inocentes. Os soldados ucranianos mortos na queda de um avião estavam cumprindo ordens, e ninguém sabia se eles de fato queriam lutar. Suas esposas e filhos, que nunca mais reencontrarão os seus respectivos maridos e pais, também são vítimas desta guerra, assim como são vítimas os moradores das cidades ucranianas que sofrem dos constantes bombardeios por parte do exército nacional.

A guerra está se espalhando e atrai novos participantes, aumentando o número de afetados. Um cidadão russo que deseja lutar pela região de Donbass deixa a sua família, sua casa, seu emprego e parte para a zona de conflito sem saber, se chegará ao destino final. Uma moradora de Lugansk entrega o filho aos pais, veste um uniforme militar e se junta às tropas irregulares para defender a pátria dos nacionalistas.

Uma gravação de celular que mostra um corpulento oficial russo rezando num bosque próximo a uma cidade ucraniana no meio de tiroteios contagia o espectador com o medo sentido pelo protagonista. Há mortos na praça da Independência, em Kiev, e na cidade de Odessa. Há milhares de moradores das cidades ucranianas que não sabem se sobreviverão ao dia de hoje. Todos eles são vítimas de uma guerra que já se aproximou e nos transformou em seus participantes decididos.

Em meio a intensos debates nas redes sociais, não percebemos como viramos as vítimas do conflito. Acreditamos que um tumulto no sudeste do país vizinho logo terminasse com a vitória de um dos lados, mas enquanto durasse poderíamos apenas observar, discutir, fazer conclusões e seguir em frente. Mas, como podemos perceber, o processo já iniciado não terminará por conta própria. Precisamos agir, caso contrário, sofreremos graves consequências.

O recente acidente do Boeing da Malaysia Airlines apenas confirma o nosso envolvimento no conflito. Todos e cada um de nós fazemos parte dele, pois mais cedo ou mais tarde a tragédia poderá entrar também em nossa casa. Os buquês de flores com os pedidos de perdão colocados próximo à embaixada holandesa em Moscou causaram muitas repercussões nas redes sociais. Alguns não aprovaram o gesto devido à falta de provas do envolvimento russo, enquanto outros parabenizaram os organizadores pelo reconhecimento da responsabilidade da Rússia pela tragédia, tentando usar o ato como um motivo para justificar seu ponto de vista. E apenas uma única pessoa pediu desculpas, independentemente dos verdadeiros motivos que causaram o acidente, pela simples razão de estar viva.

Apesar dos mecanismos de prevenção e resolução de conflitos criados e aperfeiçoados pela comunidade internacional ao longo das últimas décadas, não há nada que ela possa fazer para interromper a guerra. Na verdade, mais uma vez, as crises armadas envolvendo Iraque, Afeganistão e Rússia demonstram a falta de vontade da humanidade de viver em paz. E não adianta nomear um responsável oficial pelo conflito, pois o lado oposto nunca concordará com a escolha.

Onde entram as armas, a justiça acaba. Independentemente dos motivos iniciais, todos que se armam para defender uma ideia, mais cedo ou mais tarde passam para o lado do mal. Segundo um pastor retratado no cinema, o mandamento "não matarás" não vem com os comentários acerca das situações reais da sua possível aplicação.

Somente as boas ações, tais como a prestação de assistência a todos que a necessitam, são capazes de combater o mal, ao contrário dos programas de televisão que nos manipulam, dos debates e humilhações nas redes sociais, que servem apenas para nos usar como armas. Dizem que o mundo sobrevive enquanto o bem prevalece sobre o mal. Portanto, todos e cada um de nós seríamos responsáveis pela sua possível destruição.

 

Olga Allenova é jornalista e correspondente especial da editora Kommersant e autora de matérias sobre as ações terroristas do teatro Dubrovka, em Moscou, e da escola da cidade de Beslan e outros. Olga é autora do livro "Tchetchênia ao Lado" (em tradução livre) e vencedora de uma série de importantes prêmios de jornalismo.

 

Publicado originalmente pelo Kommersant

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.