Redes sociais na Rússia atraem públicos diversos

Ilustração: Konstantin Maler

Ilustração: Konstantin Maler

Em época de mudanças nas regras para blogueiros no país, Alexander Pliushev, um dos pioneiros do jornalismo online russo, avalia as tendências recentes do comportamento do público com as redes sociais na Rússia.

A partir de 1º de agosto, os blogueiros russos mais populares deverão receber uma notificação sobre sua inclusão no registo especial. As autoridades estimam que páginas com popularidade de 3.000 mil visitas por dia serão inclusas.

A inclusão no registro impõe ao blogueiro novas responsabilidades. Ele terá a obrigação de verificar a exatidão da informação antes de publicá-la, não divulgar segredos de Estado e não distribuir informações sobre a vida privada dos cidadãos etc. O blogueiro deverá publicar em sua página seu nome e e-mail. No que diz respeito aos direitos, todos aqueles mencionados em lei, inclusive o direito de publicar  anúncios em suas páginas, continuam como antes.

Mas parece que a maioria dos usuários de internet e o resto da população russa não se preocupa muito com as inovações impostas aos blogueiros. Muito mais preocupação foi provocada pelas notícias sobre a luta contra a pirataria na internet.

O bloqueio de várias websites do recurso popular LostFilm, onde se encontram quase todas as telenovelas ocidentais com boa tradução, recentemente provocou muitos comentários.

A questão principal para o usuário médio russo é: o que vai acontecer com a rede social mais popular, a VKontakte. Nascida como um clone do Facebook, ela já percorreu um longo caminho evolutivo e agora lembra apenas vagamente seu protótipo. Para a internet russa é uma história bastante comum quando o projeto nacional torna-se mais popular do que o internacional: a mesma coisa acorreu com o principal site de busca, o Yandex, que já durante muitos anos não só supera o Google na Rússia, como também tenta competir em outros mercados dos países pós-soviéticos.

A vantagem significativa para os usuários do Vkontakte  são os repositórios de música  e filmes não licenciados. De vez em quando, a pedido dos detentores, são feitas limpezas do Vkontakte e cada vez fica mais difícil encontrar certas coisas. No entanto, a rede social não pode ser considerada 100% pirata. Recentemente, conseguiu negociar com algumas empresas importantes e várias séries de TV russas agora são colocados de modo absolutamente legal. Em geral, a Vkontakte continua a ser o repositório e sistema de música e filmes gratuitos mais popular, por isso a rede social ganha facilmente de seus principais concorrentes, principalmente do Facebook.

Este último continua lentamente a ganhar popularidade. A rede é especialmente popular entre a classe criativa: pessoas de meia-idade com ensino superior que usam a rede social para se comunicar e compartilhar conteúdo.

Livejournal

Anteriormente esse papel cabia ao LiveJournal, que fazia sucesso  na Rússia no inicio dos anos 2000. Essa plataforma criada por Brad Fitzpatrick, que era pouco popular nos Estados Unidos, se tornou tão famosa na Rússia  que a língua russa começou a prevalecer. Logo depois a própria empresa SUP foi comprada pelo oligarca russo Alexander Mamut.

Hoje em dia já passou o pico da popularidade do Livejournal: a rede social está fora do ritmo do progresso e, de fato, ficou parada no inicio dos anos 2000.  O “motor” do programa de computador e serviços arcaicos decepcionam às vezes até os usuários mais conservadores. Apesar de tudo isso, é claro que o fim da rede não será tão rápido: a inércia antiga da popularidade vai durar muito, principalmente porque os russos adoram histórias com fotos e discussões com comentários longos, e o Livejornal  consegue fazer isso melhor do que os outros. Muitos blogueiros populares continuam a usar a rede Livejournal paralelamente com outras redes sociais e plataformas de blogs, simplesmente porque o público do Livejournal ainda é grande e ninguém quer simplesmente desistir de usá-lo.

Nesse aspecto, o destino do Livejournal é muito mais feliz do que de muitos outros projetos, inclusive o de seu clone russo LiveInternet, criado em 2003. No início, o projeto interessou o público jovem, mas não conseguiu superar a concorrência com o Livejournal e com o surgimento da rede social Vkontakte, o LiveInternet desapareceu completamente.

No entanto, seu criador, o empresário online Herman Klimenko parece não desanimar, porque junto com a plataforma de blog  LiveInternet criou e continua a criar produtos interessantes. Um dos últimos é o Mediametrics (mediametrics.ru) –classificação de notícias pelo número de acesso a páginas de diferentes redes sociais.

Segundo ele, a maioria dos acessos a notícias são feitos através das páginas do Vkontakte, Facebook e Twitter, que aparentemente no momento são as mais populares redes sociais na Rússia. Embora seja impossível não mencionar mais duas redes sociais: o Moi Mir@Mail.Ru e o Odnoklassniki (ambos pertencem ao Mail.Ru Group), populares especialmente nas províncias entre as pessoas mais velhas.

Eu nunca vi nos meios de comunicação ou no blog de ​​alguém um link com a sugestão de assinar a Moi Mir, e a Odnoklassniki é uma rede especialmente para a comunicação, sua atração principal é a avaliação de imagens. Mas vou repetir novamente: entre a geração mais velha essa rede social é muita famosa: em apresentações de televisão mostram pessoas que bateram em alguém ou se divorciaram por  uma baixa avaliação de foto na Odnoklassniki. 

É fácil perceber que diferentes redes sociais são adequados para diferentes fins e muitos russos, inclusive o autor desse texto, usam várias redes sociais para diferentes tarefas, inclusive para aumentar a audiência. Eu até tenho uma conta na Odnoklassniki: mas ainda não consegui entender a alegria de dar nota às fotos de alguém .

 

Aleksandr Pliuschev é blogueiro e comentarista na estação de rádio "Eco de Moscou" e um dos pioneiros do jornalismo online na Rússia.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.