O berço de ouro da União Soviética

Não muito distante de Moscou, o palacete de Gorki Leninskie é há quase 100 anos associado ao nome de Lênin. Ex-líder soviético viveu ali por dois anos.

Lênin passou a frequentar o palacete após o atentado de 1918. Passava os fins de semana até a se estabelecer definitivamente em 1923 devido ao agravamento de sua saúde. Mas por que o líder soviético escolheu justamente o Górki?

Como respostas prováveis, pode-se elencar a natureza exuberante da região –  mata virgem, o Rio Pakhra e a lagoa vizinha –  e a beleza arquitetônica original do palacete. Além disso, muitas mansões e palácios aristocráticos tinham sido destruídos em 1917, sobrando poucas escolhas.

A integridade e beleza de Górki foi preservada graças à Zinaida Morozova, viúva do industrial e filantropo Savva Morozov. O segundo esposo de Zinaida foi o prefeito de Moscou, Anatóli Rheinbott. O imóvel foi reconstruído sob a supervisão de Fiódor Schechtel, o mais famoso representante do modernismo russo na arquitetura.

A propriedade possuía um amplo pomar que foi realocado durante o processo. Lênin não alterou o interior da mansão – preferiu viver no suntuoso ambiente em que moraram os ricos comerciantes antes da Revolução de Outubro, fato que levantou muitas questões delicadas após sua morte.

Nos dias de hoje, o palacete foi tombado como museu que abriga exposições permanentes e temporárias, bem como é palco para concertos de música clássica e programas recreativos infantis para crianças pequenas e em idade escolar. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.