Fotos desenterram ruínas militares da época soviética

Durante a URSS, esta base recebeu vários prêmios do governo. Em 2009, o Estado decidiu transformá-la em uma sociedade anônima e, poucos meses depois, a empresa decretou falência.

Durante a URSS, esta base recebeu vários prêmios do governo. Em 2009, o Estado decidiu transformá-la em uma sociedade anônima e, poucos meses depois, a empresa decretou falência.

KFSS.ru
Desarmamento pós-Guerra Fria levou ao abandono de inúmeras instalações nucleares. As fotografias a seguir mostram ruínas de lugares que, até três décadas atrás, ostentavam a mais avançada tecnologia militar.
Base de reparação de equipamento militar abandonada em Ussuriisk, no Extremo Oriente russo, a mais de 7.000 km de Moscou. Foi uma das três bases que, durante a União Soviética, se ocupava de consertar e modernizar tanques.
Na região existem tanques antigos dos anos 1970, bem como veículos de combate relativamente novos trazidos das ilhas Curilas.
Veículos blindados definham ali há anos e seu destino é incerto. É apenas uma questão de tempo que sejam desmontados, e o metal, levada para algum ferro velho.
O processo de desarmamento não só envolve a destruição de armamento, mas também das instalações levantadas caso houvesse um ataque nuclear. As placas que dizem “Será disparado contra os que atravessarem” não são mais relevantes.
No caso um ataque nuclear, submarinos soviéticos deveriam se aproximar destas portas. Esse abrigo antibomba foi construído para resistir a um ataque direto com bomba nuclear. Hoje, a maior ameaça para esta instalação vem dos ladrões de metal.
A base, antes chamada “Instalação secreta nº6”, foi inundada como parte do Tratado de Redução de Armas Estratégicas, assinado com os Estados Unidos. O processo ocorreu imediatamente após a queda da URSS, em 1991.
Como grande parte do abrigo está inundado, é impossível saber quais as dimensões reais dessa instalação secretas. Mas fato é que pode acomodar vários submarinos ao mesmo tempo.
O desarmamento também afetou a área mais fortificada da União Soviética, isto é, a região de Moscou. A pilha de metais nesta foto foi extraída do teto e do piso de um bunker de comunicação militar, subterrâneo e longe de satélites de reconhecimento.
Não foi necessário, porém, destruir esta instalação na região de Moscou. O Exército soviético foi incapaz de concluí-la antes de 1991. Hoje em dia, serve de abrigo para trabalhadores em situação ilegal provenientes da Ásia Central.
Estas bolas enormes continham radares para proteger Moscou dos mísseis inimigos. Alguns desses locais estão abandonados; outros, tornaram-se espaços para construção de pequenas máquinas ou locais de fabricação de tecidos.
Assim é o interior da estação de radar Danúbio-3. Essa tecnologia servia para controlar o céu nos entornos de Moscou e alertar no caso de haver um ataque de mísseis. Depois de desarmar a estação, foi abandonada. Não se destruiu nada; muitos dos equipamentos foram simplesmente largados ali.
Mapas dos Estados Unidos com indicações de instalações militares eram desenhados tanto pelos militares como pelos ladrões de metal, que saquearam o lugar logo após os soldados partirem.
Ninguém quer viver na pequena cidade de Pavlovsk, na região de Moscou. Quando a instalação militar foi fechada, o trabalho desapareceu.