Negociações em Minsk batem recorde de duração

Pútin, Merkel, Hollande e Porochenko encontraram-se na tarde de quarta-feira (11) na capital bielorrussa para discutir crise ucraniana. Foto: AP

Pútin, Merkel, Hollande e Porochenko encontraram-se na tarde de quarta-feira (11) na capital bielorrussa para discutir crise ucraniana. Foto: AP

Conversas na capital bielorrussa entre chefes de Estado da Rússia, Alemanha, França e Ucrânia duraram mais de 14 horas. Acordo fechado prevê um cessar-fogo a partir de 15 de fevereiro, a retirada de armamentos pesados e a criação de uma zona de segurança.

Em Minsk, encerrou-se novo encontro, iniciado na tarde de quarta-feira (11), entre Vladímir Pútin, Angela Merkel, François Hollande e Petrô Porochenko para discutir a crise ucraniana.

Paralelamente, ocorreu também na capital bielorrussa uma reunião do grupo de contato entre representantes da Rússia, Ucrânia, OSCE (Organização para Segurança e Cooperação na Europa) e separatistas.

As negociações resultaram na aprovação pelo grupo de contato de um documento relacionado à execução dos acordos de Minsk alcançados em setembro. Além disso, os líderes dos quatro países adotaram uma declaração de apoio ao documento.

Fronteiras e nova Constituição

O presidente russo Vladímir Pútin obteve êxito em acordar um cessar-fogo a partir de 0:00 de 15 de fevereiro. As partes também decidiram pela retirada de armamentos pesados da linha de frente e pela criação de uma zona de segurança que irá variar entre 50 km e 140 km.

A OSCE será responsável por observar o cessar-fogo, assim como controlar a retirada de "unidades estrangeiras" do território ucraniano.

O acordo também indica a necessidade de se realizarem eleições locais em breve em Donbass, de anistiar os participantes dos conflitos, de aprovar uma legislação sobre o status especial de diversas áreas de Donbass em Kiev e de uma reforma constitucional na Ucrânia, com nova lei que descentralize o poder no país.

Uma das principais questões suscitadas pela parte ucraniana foi a do controle das fronteiras entre as regiões revoltosas e a Rússia.

Segundo o documento, o restabelecimento do controle de Kiev sobre as fronteiras será feito pouco a pouco, sob a condição de que a reforma constitucional seja realizada e por meio de consultas com os representantes dos separatistas.

Resultados promissores

Analistas russos receberam com otimismo os resultados dos novos acordos de Minsk.

"Com ele, foi possível chegar a um entendimento sobre condições básicas para a condução do processo de paz vindouro: o cessar-fogo e a linha de frente das partes", disse à Gazeta Russa Dmítri Danilov, chefe da seção de segurança do Instituto Europeu da Academia Russa de Ciências.

O pesquisador-chefe do Centro de Estudos Pós-Soviéticos da universidade MGIMO, Víktor Mízin, também viu de maneira positiva as negociações na capital bielorrussa.

"Os acordos de Minsk são promissores, já que levarão ao cessar-fogo", disse à Gazeta Russa.

Mas os especialistas foram menos otimistas quanto a um futuro acordo político entre os líderes.

Para Danilov, as partes podem interpretar de maneiras diferentes os compromissos alcançados, sobretudo em relação a questões sensíveis, como o status especial de Donbass e o controle das fronteiras. Além disso, muito dependerá da reação de Kiev.

"Agora, Porochenko terá que chegar a entendimentos em Kiev com seus companheiros e com a opinião pública", diz Danilov.

Ele lembra que os separatistas também têm em mãos uma grande responsabilidade: a de não quebrar os acordos alcançados.

Segundo Mízin, mesmo após o novo encontro o  status das regiões rebeldes permanece "um enorme problema sem resolução", assim como a questão das fronteiras russo-ucranianas em alguns setores de Donbass.

"E se no final das contas o acordo não funcionar, surge a ameaça de um colapso de grandes proporções no leste do país", afirma Mízin.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.