“Imagem hostil permitiu à Otan se aproximar das fronteiras russas”

Quatro regimentos da Defesa Antiaérea receberam sistemas de mísseis antiaéreos e duas brigadas foram reequipadas com os sistemas Iskander-M Foto: TASS

Quatro regimentos da Defesa Antiaérea receberam sistemas de mísseis antiaéreos e duas brigadas foram reequipadas com os sistemas Iskander-M Foto: TASS

Reunido com adidos militares de países estrangeiros, o chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Rússia, Valéri Guerássimov, falou sobre as intenções do Ministério da Defesa de modernizar o Exército e a imagem negativa do país no Ocidente em meio à crise ucraniana.

No encontro do último dia 11, o general Valéri Guerássimov apresentou aos adidos estrangeiros uma nova gama de equipamentos incorporados ao Exército russo. “Em um ano, recebemos 38 mísseis balísticos intercontinentais, 250 aeronaves, 280 viaturas blindadas de combate e mais de 5.000 unidades de tecnologia automotiva. Quatro regimentos da Defesa Antiaérea receberam sistemas de mísseis antiaéreos e duas brigadas foram reequipadas com os sistemas Iskander-M”, disse.

Reforço no Ártico

Guerássimov anunciou que, desde 1o de dezembro, o comando estratégico combinado, formado na base da Frota do Norte, está atuando no setor russo do Ártico para proteger os interesses nacionais na região. Além das forças navais, fazem parte desse comando a brigada do Ártico, e unidades da Força Aérea e de Defesa Antiaérea.

Em relação à Marinha, o chefe do Estado-Maior General destacou a incorporação do submarino nuclear com mísseis de cruzeiro Severodvinsk, do grande submarino Novorossisk e de dois navios de mísseis de pequeno porte – o Grad Sviajsk e o Uglitch –, além de três lanchas de desembarque e uma de contrassabotagem.

Também foi anunciado que o Ministério da Defesa pretende comprar anualmente entre 70 a 100 aeronaves, mais de 120 helicópteros, até 30 navios, submarinos, embarcações especiais e de apoio, e 600 unidades de veículos blindados.

Com tantas novidades técnicas, foi programado um novo modelo de treinamento das tropas, que está sendo implementado para aumentar o grau de prontidão de combate do Exército russo. Seu núcleo é composto pelos quatro centros de treinamento de combate e quatro campos interespecíficos dos distritos militares.

Vilã?

Grande parte do discurso de Guerássimov foi dedicado aos acontecimentos nos “pontos quentes” do planeta, com destaque para Síria, Afeganistão e Ucrânia. “A promoção da teoria ‘Rússia hostil’ nos acontecimentos na Ucrânia permitiu à Otan criar condições políticas para aproximar sua infraestrutura das fronteiras russas”, afirmou.

Valéri Guerássimov durante discurso a adidos estrangeiros Foto: PhotoXpress

O general foi enfático ao dizer que a Rússia é geralmente retratada no Ocidente como a “culpada direta dos trágicos acontecimentos na Ucrânia” e um “agressor declarado”.

Segundo “declarações provocativas”, como descreveu Guerássimov, existem no território do Donbass mais de 8.500 tanques e veículos blindados, 1.200 peças de artilharia e na ordem de 1.900 lançadores de foguetes. Para contestar esses cálculos, o chefe do Estado-Maior comparou a área total das regiões de Lugansk e Donetsk com o território da região de Moscou.

“Vocês entendem perfeitamente que, mesmo hipoteticamente, é impossível esconder um conjunto tão grande de armas combinadas em uma área relativamente tão pequena, onde se deslocam livremente jornalistas ocidentais e representantes da OSCE”, disse. Guerássimov confirmou, entretanto, a “presença de militares russos na cidade de Debaltsevo, a pedido do Estado-Maior General da Ucrânia”.

 

Publicado originalmente pela Rossiyskaya Gazeta

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.