Sanções podem durar até 2017, alerta ministro do Desenvolvimento

Sanções impostas pela UE e pelos EUA podem se arrastar por mais três anos Foto: RIA Nóvosti

Sanções impostas pela UE e pelos EUA podem se arrastar por mais três anos Foto: RIA Nóvosti

Previsão anterior baseava-se na suposição de que medidas seriam suspensas já em 2015. Prorrogação deve causar mais prejuízos à economia nacional.

As sanções ocidentais impostas contra a Rússia por causa de sua posição na crise ucraniana podem se estender até 2017, declarou o ministro do Desenvolvimento Econômico Aleksêi Uliukaiev, em uma entrevista à revista “Russian View”.

“A previsão macroeconômica anterior, divulgada no terceiro trimestre, foi baseada na suposição de que as sanções seriam suspensas em 2015”, disse Uliukaiev. “O Conselho Europeu tomou a decisão de impor sanções contra a Rússia por um período de 12 meses e, portanto, o ministério presumia que a medida não seria prorrogada.”

No entanto, segundo Uliukaiev, a hipótese de que a previsão inicial da pasta seja contrariada é cada vez mais forte. “E agora devemos presumir em nossos cálculos que o regime de sanções vai durar, em 2015, 2016 e 2017. Este é o problema do planejamento a médio prazo”, explicou.

O Ministério do Desenvolvimento Econômico da Rússia divulgou na semana passada uma previsão macroeconômica atualizada, pressupondo que as sanções ocidentais iriam durar ao longo de 2015.

Devido às medidas proibitivas ocidentais, à queda nos preços mundiais de petróleo e à incerteza dos investidores, a pasta espera agora que o PIB do país caia 0,8% no ano que vem, em comparação com a previsão anterior, que previa crescimento de 1,2%.

Paralelamente, o ministério aumentou a previsão de crescimento do PIB em 2014 para 0,6%, contra 0,5% das estimativas anteriores.

 

Publicado originalmente pela agência de notícias Tass

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.