Volume comercial com o Chile deve ultrapassar US$ 1 bilhão em 2014

No domingo passado (9), os presidentes da Rússia, Vladímir Pútin, e do Chile, Michelle Bachelet, se reuniram em Pequim Foto: Konstantin Zavrájin/RG

No domingo passado (9), os presidentes da Rússia, Vladímir Pútin, e do Chile, Michelle Bachelet, se reuniram em Pequim Foto: Konstantin Zavrájin/RG

Em reunião antes da Cúpula da Apec, líderes listaram medidas para reforçar laços bilaterais. Países pretendem intensificar a cooperação no que se refere ao fornecimento de alimentos e produtos agrícolas, além de ampliar parceria nas esferas de cultura e defesa.

Após a introdução das contrassanções russas proibindo a importação de produtos oriundos dos EUA e UE, as relações comerciais da Rússia com o Chile entraram em um novo patamar. Não é por acaso que o diretor de Relações Econômicas Internacionais do Ministério das Relações Exteriores chileno, Andrés Rebolledo, vê a situação atual como “uma janela de grandes oportunidades para fortalecer a posição no mercado russo”.

O volume de negócios entre a Rússia e o Chile está aumentando, e essa tendência se reflete nos índices comerciais. De acordo com a diretora do Centro de Pesquisas Econômicas do Instituto da América Latina, Ludmila Simonova, em 2004 as exportações do Chile para a Rússia totalizaram US$ 96 milhões. “Dez anos depois, essas exportações estão na faixa dos US$ 654 milhões”, aponta a especialista.

Os principais produtos importados pela Rússia são peixe congelado (43,9%), uva (10,9%), vinho (7,7%), carne de porco (7,6%), maçã e pera (5%), além de outras frutas frescas (4,8%). “O volume do comércio bilateral em 2014 deverá ultrapassar US$ 1 bilhão. Atualmente operam na Rússia mais de cem empresas chilenas, e esse número não para de aumentar”, diz Simonova.

No domingo passado (9), os presidentes da Rússia, Vladímir Pútin, e do Chile, Michelle Bachelet, se reuniram em Pequim, onde se encontram para participar da cúpula da Apec. “Muito em breve, ainda este ano, iremos assinalar o 70º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas entre os nossos países, disse Pútin no início das conversações. “Mas nossas relações precisam ser complementadas com comunicações em diferentes direções e que correspondam às nossas possibilidades econômicas.”

Na ocasião, o assessor de imprensa do Kremlin, Dmítri Peskov, confirmou que os países pretendem intensificar a cooperação no que se refere ao fornecimento de alimentos e produtos agrícolas. “Do lado russo foi apresentada a proposta para que os produtores agrícolas venham para o mercado com preços mais competitivos”, disse Peskov.

O Chile, que é o segundo maior produtor de salmão do mundo, também demonstrou disponibilidade para triplicar as exportações para a Rússia, segundo informações do jornal chileno “Diario Financiero”. “O Chile envia mensalmente entre 2,5 e 3 mil toneladas de salmão à Rússia e agora podemos aumentar até 7 ou 8 mil toneladas”, disse o diretor-geral da empresa Camanchaca, Ricardo Garcia, citado pelo jornal.

Outras 12 empresas chilenas vão fornecer frutos do mar e peixe à Rússia, após obterem autorização do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária (Rosselhoznadzor).

Do comércio à pesquisa

O governo chileno também demonstra interesse em criar uma zona de livre comércio com os países da União Aduaneira (Rússia, Bielorrússia, Cazaquistão). “Contamos com o seu apoio no âmbito da Comissão Econômica da Eurásia”, disse Bachelet durante a reunião bilateral de domingo. Para avançar os acordos, a ministra para integração e macroeconomia da Comissão Econômica da Eurásia, Tatiana Valovaia, visitará Santiago no final do mês.

“Nas esferas de cultura e defesa, contamos agora com a ampliação e aprofundamento dessa cooperação com a Rússia”, acrescentou Bachelet. Segundo o assessor de imprensa da presidência, a reunião de Pútin com a líder chilena também abordou a questão da parceria em trabalhos de pesquisa na Antártida, onde existem bases de ambos os países. 

 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.