Suspeita de submarino em costa sueca gera clima de “Guerra Fria”

Wikström: “Atividade submarina estrangeira na região de Kanholms Fjord foi obtida de uma fonte inquestionável” Foto: Reuters

Wikström: “Atividade submarina estrangeira na região de Kanholms Fjord foi obtida de uma fonte inquestionável” Foto: Reuters

Marinha sueca estaria realizando operações de busca de um submarino russo na região de Estocolmo. Ministério da Defesa da Rússia negou as acusações e salientou que veículo nacional tinha violado o espaço marítimo do país escandinavo.

A notícia do aparecimento de um submarino foi inicialmente divulgada no jornal sueco “Svenska Dagbladet”. Com base em fontes não identificadas, a publicação fala sobre a intercepção de conversas em russo. O sinal teria partido do arquipélago de Estocolmo em direção a Kaliningrado, onde se encontra o quartel-general da Frota do Báltico.

Segundo o responsável pela operação, o capitão da Marinha sueca Jonas Wikström, a informação sobre a “atividade submarina estrangeira” na região de Kanholms Fjord foi obtida de uma “fonte inquestionável”. Estão envolvidas na busca forças militares terrestres, marítimas e aéreas, com um contingente de mais de 200 pessoas.

O contra-almirante da Marinha sueca, Anders Grenstad, declarou também que as forças armadas do país registraram a atividade estrangeira por três vezes, mas não podem confirmar de que se trate de um submarino russo.

O Ministério da Defesa russo prontamente respondeu que “não houve nem há nenhuma situação anormal com embarcações militares russas”. De acordo com o órgão, não há submarinos russos ao longo da costa da Suécia.

“Os submarinos da Marinha russa, bem como os seus navios, estão executando exercícios no oceano”, lê-se em um comunicado publicado site do ministério.

Suspeitas rasas

“O almirante sueco, ao contrário da mídia, escolheu palavras evasivas em relação ao assunto. Ele fala de uma certa ‘atividade submarina’ nas águas territoriais suecas”, disse à Gazeta Russa o presidente do Instituto de Análises Estratégicas, Aleksandr Konoválov. “As fotos publicadas mostram uma mancha preta na superfície do mar, que lembram o monstro do lago Ness, e não são evidência de uma intervenção russa.”

De acordo com o analista, os militares suecos acreditam que o veículo pode se tratar de um submarino, um minissubmarino ou uma unidade motorizada independente para mergulhador militar. As autoridades de Estocolmo ainda não confirmaram nenhuma dessas possibilidades.

De acordo com o capitão da Marinha russa Dmítri Litóvkin, um submarino que se encontre na profundidade da linha de comunicação de baixa frequência pode transmitir sinal de socorro graças à antena localizada na parte de trás. “São ondas transmitidas para estações especiais de recepção, que registram dados sobre o estado e as atividades do submarino. Não é uma voz, mas um sinal de determinada amplitude, um conjunto de comandos. Para enviar mensagem de voz, o submarino tem que emergir”, explica.

“Mas toda essa história soa como ‘Guerra Fria’, e  não se sabe ainda a troco de quê a mídia sueca abordou o assunto de tal forma”, diz Litóvkin.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.