Universidade Estatal de Moscou ocupa 114ª posição em ranking internacional

Universidade Lomonossov subiu seis degraus em relação à lista de 2013 Foto: Cody White

Universidade Lomonossov subiu seis degraus em relação à lista de 2013 Foto: Cody White

Instituição acadêmica foi a única da Rússia classificada entre as 200 melhores universidades. Primeiros colocados demonstraram governos e fontes de financiamento do setor privado estão colocando maior ênfase em ciência de alto impacto, engenharia de tecnologia e pesquisa matemática.

A Universidade Estatal de Moscou Lomonossov (MGU) ficou posicionada em 114º lugar no “Ranking Mundial de Universidades 2014”, da consultoria Quacquarelli Symonds (QS). A instituição acadêmica subiu seis degraus em relação à lista de 2013 e é a única da Rússia classificada entre as 200 primeiras melhores universidades do mundo.

A Universidade Estatal de São Petersburgo ocupa o 233º lugar, embora tenha escalado sete posições em relação ao ranking de 2013. A Universidade Estatal de Moscou Bauman e a Universidade Estadual de Novosibirsk ficaram em 322º e 328º, respectivamente. Além delas, o Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO) ficou posicionado em 399º lugar.

Entre os nomes russos que figuraram pela primeira vez no ranking estão a Universidade Nacional de Pesquisa Nuclear MEPhl (Instituto de Engenharia Física de Moscou), a Universidade Nacional de Ciência e Tecnologia "MISIS" e A Universidade Estatal de Pesquisa Saratov.

A consultoria QS avaliou 863 universidades, das quais 21 são russas.

Tecnologia em alta

Assim como no ano passado, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts lidera o ranking. A Universidade de Cambridge veio em segundo lugar, e o Imperial College London, em terceiro.

“Na sequência da recessão, os governos e as fontes de financiamento do setor privado estão colocando maior ênfase em ciência de alto impacto, engenharia de tecnologia e pesquisa matemática, que são desenvolvidas em instituições especializadas”, justificou Ben Sowter, chefe de pesquisa da QS.

A Universidade de Harvard ocupou a quarta posição, seguida pela Universidade de Oxford e pela Universidade College London (UCL). Os degraus seguintes foram ocupados pelas universidades norte-americanas Stanford, Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), Princeton e Yale.

 “As instituições com foco em tecnologia são cada vez mais fundamentais na corrida global para a inovação”, acrescentou Sowter. “Com os orçamentos de fontes públicas sob crescente pressão, as instituições parecem mais do que nunca focadas em pesquisa potencialmente lucrativas nas áreas de ciência, tecnologia e medicina.”

 

Publicado originalmente pela agência Itar-Tass

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.