Soldados russos são capturados após cruzarem fronteira com a Ucrânia

Durante o interrogatório, os soldados aerotransportadores russos disseram que não sabiam como acabaram no território da Ucrânia Foto: Reuters

Durante o interrogatório, os soldados aerotransportadores russos disseram que não sabiam como acabaram no território da Ucrânia Foto: Reuters

Ministério da Defesa investiga como os militares foram parar na região.

O Serviço de Segurança da Ucrânia declarou que o exército nacional capturou dez soldados das forças aerotransportadoras russas nas áreas fronteiriças entre os dois países. Durante sua visita a Minsk, o presidente russo, Vladímir Pútin, disse que ainda não tinha informações sobre como os soldados foram parar na região e aguardava o relatório do Ministério da Defesa.

Segundo informou à agência "Interfax" uma fonte no Ministério da Defesa russo, os soldados detidos cruzaram a fronteira russo-ucraniana "por acaso". "Esses soldados participavam da patrulha na fronteira russo-ucraniana e cruzaram, provavelmente por acidente, um terreno sem instalações e demarcação. Até onde se sabe, no momento da prisão, eles não apresentaram resistência às Forças Armadas da Ucrânia", disse a fonte.

Pútin disse a jornalistas que ainda não havia recebido o relatório do departamento militar sobre os soldados. "Até onde eu sei, eles patrulhavam a fronteira e poderiam acabar em território ucraniano", disse o presidente, acrescentando que, anteriormente, militares ucranianos foram achados no lado russo, "não cinco ou dez pessoas, mas dezenas", sendo que da última vez foram 450 pessoas. "Nunca houve qualquer problema, espero que neste caso também não haja problemas com a Ucrânia", disse ele.

Captura dos prisioneiros

"Perto da vila Zerkálni, na região de Amvrosiévski da unidade federativa de Donetsk, um grupo das Forças Armadas da Ucrânia e do Serviço de Segurança ucraniano prendeu dez militares do 331º regimento e da 98ª divisão das tropas aerotransportadoras das Forças Armadas da Rússia (unidade militar 71211). Os militares russos foram detidos com documentos pessoais e armas", informou um comunicado publicado no site do Serviço de Segurança.

De acordo com a agência de notícias ucraniana Unian, a composição inicial do grupo de aerotransportadores consistia de cerca de 400 pessoas - um batalhão de artilharia, pelotão de reconhecimento e unidades de apoio. Faziam parte da composição do grupo 30 veículos de combate, 18 peças de artilharia Nona e outros meios de transporte.

Ainda segundo a declaração do Serviço de Segurança da Ucrânia, na semana passada, soldados aerotransportadores russos foram levados do local permanente do regimento para Rostov do Don. Os detentos estavam vestidos com uniformes militares russos, mas sem distintivos, e os sinais de identificação de seus equipamentos militares foram pintados.

Durante o interrogatório, os soldados aerotransportadores russos disseram que não sabiam como acabaram no território da Ucrânia. Segundo eles, o comando anunciou o início de exercícios táticos na região. Militares ucranianos afirmaram que na noite de 24 de agosto os soldados russos, em regime de silêncio de rádio, cruzaram a fronteira em marcha em direção à cidade ucraniana de Ilovaisk.

"Nós não fomos pela estrada, mas pelo campo, nem sei onde cruzamos a fronteira", disse um soldado no vídeo do interrogatório, que se dizia cabo do 331º regimento da 98ª divisão aerotransportadora russa, identificado como Ivan Meltchakov. No vídeo, o soldado afirma só ter tomado conhecimento que se encontrava no território da Ucrânia quando começaram a bombardear o grupo deles.

Em cativeiro

"Como os soldados aerotransportadores foram parar lá se torna bastante claro com os quadros do interrogatório: eles se perderam depois de muitas horas de marcha, acompanhando uma coluna. Moscou não enviou seus homens para combates no sudeste da Ucrânia. Quando comboios militares estão em movimento, eles sempre têm uma vanguarda que vai adiante e há uma guarda lateral. Aparentemente, eles estavam ao lado da coluna, e à noite se perderam, cruzando a fronteira russo-ucraniana. Ela não é marcada, não há quaisquer pontos de referência alertando que é a fronteira, e não é nada surpreendente que eles foram encontrados do lado ucraniano", disse à Gazeta Russa o coronel reformado e especialista militar independente Víktor Litóvkin.

O presidente do Instituto de Estimativas Estratégicas da Rússia, Aleksandr Konovalov, disse que a captura dos soldados aerotransportadores russos armados no território da Ucrânia é um presente para Kiev e será muito mais fácil às autoridades oficiais comprovar o envolvimento de Moscou com os combates no sudeste.

"Dos Estados Unidos e da União Europeia pode-se esperar o fortalecimento das sanções. Já a Ucrânia vai ainda mais ativamente pedir assistência militar na construção de suas forças armadas e equipagem com armas modernas. Kiev terá mais alguns argumentos a favor de que o Ocidente tem que ajudar, embora eu ache que, por enquanto, o Ocidente se absterá", disse Konovalov.

O especialista também observou que, no contexto das próximas negociações da União Aduaneira, "a situação se torna um trunfo nas mãos de [Petrô] Porochenko", o presidente da Ucrânia.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.