Semana na Ucrânia teve bombardeio de fábrica e limpeza da praça da Independência

Foto: Reuters

Foto: Reuters

A Gazeta Russa continua publicando o panorama da imprensa russa sobre a situação no país vizinho.

Moskovsky Komsomolets

O jornal “Moskovsky Komsomolets” relatou que a continuação do bombardeamento por parte do exército ucraniano da Stirol, uma das maiores fábricas de produtos químicos da Ucrânia, na cidade de Gorlovka, pode levar a uma catástrofe ambiental. Segundo um assessor de imprensa da fábrica, um acidente na Stirol levaria a um vazamento na Fábrica Química Estatal de Gorlivka, onde até hoje permanece armazenado nitroclorobenzeno, substância conhecida como "veneno sanguíneo". O raio mínimo de destruição em caso de um vazamento, segundo o relatado no jornal, é de 300 km.

Kommersant 

O jornal “Kommersant” publicou um artigo que fala sobre a limpeza completa da praça da Independência em Kiev, lembrando que no dia 7 de agosto houve confrontos entre manifestantes e forças de segurança ucranianas no local e que a situação só foi estabilizada no domingo (10).

A reportagem citou o prefeito de Kiev, Vitali Klitchko, que disse que desta vez foi possível chegar a um acordo com a as forças de autodefesa Maidan. O jornal citou também a opinião de um especialista sobre os motivos da dispersão dos ativistas: "Porochenko [presidente da Ucrânia] tem medo de repetir o destino de seu antecessor. Agora ele quer retirar da capital o elemento de instabilidade, de modo a evitar que o Maidan se reúna durante as eleições para a Rada (o parlamento ucraniano)".

Nezavísimaia Gazeta

O jornal “Nezavísimaia Gazeta” publicou uma notícia segundo a qual o presidente de Belarus, Aleksandr Lukachenko, teria um plano para a resolução do conflito na Ucrânia. Segundo o jornal, Lukashenko anunciou uma reunião de chefes de Estado da União Aduaneira com o presidente ucraniano, Petro Porochenko, e disse ter um plano para a resolução do conflito naquele país.

Ainda de acordo com a publicação, ele teria admitido que não apenas tem um plano aceitável para a resolução do conflito na região, como já o expressou verbalmente em um encontro com personalidades do Ocidente, mas sua opinião não foi levada em conta porque "a paz na Ucrânia não interessar a ninguém".

"Os especialistas estão se perguntando se o chefe de Estado de Belarus terá de fato alavancas de influência sobre a situação, ou se isso é apenas um golpe de relações públicas", escreveu o jornal.

Védomosti

O jornal “Védomosti” escreveu que no dia 9 de agosto, em conversas com o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, e a chanceler alemã, Angela Merkel, Petro Porochenko disse que a Ucrânia estaria disposta a aceitar ajuda para Lugansk, sob os auspícios do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, desde que essa ajuda esteja sob o controle das Forças Armadas da Ucrânia, através dos postos de passagem controlados na parte ucraniana e sem qualquer acompanhamento militar estrangeiro.

Nôvaia Gazeta

De acordo com o jornal “Nôvaia Gazeta”, os cinco oficiais ucranianos detidos na última semana na região russa de Rostov voltaram para casa. O jornal escreveu que eles não serão processados, uma vez que o comandante da 72ª Brigada, Ivan Voitenko, e quatro de seus soldados estavam seguindo ordens de oficiais superiores e não cometeram crimes diretos contra ninguém. A publicação lembrou que os soldados ucranianos eram suspeitos de usar meios de combate proibidos em guerra, bem como de bombardear o território russo. Os oficiais eram também suspeitos de envolvimento em crimes contra civis no território das regiões de Lugansk e Donetsk.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.