Propaganda de cerveja nacional gera polêmica na internet

Há alguns dias foi postado no YouTube um vídeo promocional no qual o ator norte-americano David Duchovny fala sobre seu amor pela Rússia. Imediatamente, o vídeo acumulou mais de um milhão e meio de visualizações e provocou animadas discussões. A Gazeta Russa descobriu quais símbolos nacionais estão embutidos nele e porque os blogueiros reagiram de maneira drástica a ele.

Fonte: YouTube

A propaganda da marca de cerveja russa Sibirskaia Korona (Coroa da Sibéria) com o ator americano David Duchovny tornou-se objeto de discussão no YouTube e em outras plataformas populares como VKontakte, Facebook e LiveJournal. Muitas pessoas parecem ter esquecido que trata-se de uma propaganda e que o ator está apenas representando um papel, acreditando que Duchovny está falando em seu nome.

David é um cara comum soviético

O vídeo é praticamente o pensamento nacional russo em miniatura. O seu personagem principal faz a seguinte reflexão: o que teria acontecido se eu tivesse nascido na Rússia? A sequência apresenta imagens arquetípicas russo-soviéticas, familiares a todos.

A foto do jovem David no álbum escolar, ele sobre esquis, usando um traje esportivo soviético. Ele como parte de uma equipe de cosmonautas. Que criança soviética não sonhava se tornar cosmonauta? Como coreógrafo no Teatro Bolshoi. O balé clássico é uma marca soviética tão ultrapopular como o cosmos. Já com quarenta anos, tenta um papel no filme cult “Brat-2" (Irmão-2), de Aleksêi Balabanov, um dos filmes mais importantes para a formação da consciência patriótica na década de 2000, onde ele lê um poema patriótico sobre a Rússia: "Eu descobri que tenho uma família enorme (...)” Em outra imagem Duchovny aparece comojogador da seleção russa de hóquei. O hóquei, assim como o balé e o cosmos, é um dos mais importantes objetos de orgulho dos russos.

No vídeo, Duchovni, experimentou todos os principais símbolos russos: viajou por vastidões sem fim, curtiu uma sauna a vapor, saiu rodando fora da estrada em um SUV e até cantou na popular banda de rock russa Mashina Vremeni (Máquina do Tempo), caracterizado como Aleksandr Kutikov, um dos integrantes. Ao fundo, durante todo o vídeo, toca a versão instrumental da canção do grupo Kino (Cinema), “Uma Estrela Chamada Sol", favorita de todo o povo russo.

Publicidade sem propaganda

Por uma curiosa coincidência, o primeiro papel de Duchoni foi em um comercial da cerveja Löwenbräu. Agora, depois de estrelar Arquivo X e a série Californication, ele novamente retornou à publicidade da cerveja. Desta vez, de uma cerveja russa. A maioria dos telespectadores do país, no entanto, não assimilou o vídeo como uma propaganda. Muitos até acham que se trata de um documentário e que quem está jurando amor à Rússia não é o ator, mas o David Duchovni real.

O blogueiro Nikolai Wolf traça um paralelo com o ator francês Gérard Depardieu, que recentemente adotou a cidadania russa. Ao contrário de Duchovni, no entanto, Depardieu promove a Rússia em seu próprio nome e não em nome de seu personagem.

Podemos nos deparar com comentários engraçados. Denis Denis escreve: "Que russo sai rodando pelos campos num SUV preso pelo cinto de segurança?”

O blogueiro Aleksêi Martchenko chegou à paradoxal conclusão de que uma propaganda tão cara (o cachê do astro americano certamente não é pequeno) mostra que o negócio do álcool vai afundar em breve. Caso contrário, na opinião do autor, os produtores de bebidas alcoólicas não tentariam reanimá-lo através de publicidade caríssima.

Ucrânia vs Rússia

Os usuários ucranianos das redes sociais estão indignados. Ultimamente, as discussões chamadas "holywars" (ou seja, “trolling sessions” sobre o tema ucraniano) se exasperaram de modo especial. Os russos refutam definitivamente as recriminações dos ucranianos de que Duchovni está se apresentando simplesmente por dinheiro. Temos aqui uma resposta típica russa (ChernyY IniY): "Provavelmente é um dos melhores comerciais que já vi. E, a propósito, todos viram nele o que queriam ver, de acordo com o grau de seu desenvolvimento. Nós, os russos adequados [essa expressão surgiu na década de 1990, no período pós-soviético, e refere-se às pessoas capazes de assimilar a realidade de forma adequada e de ter atitudes adequadas à uma dada situação] fomos lembrados mais uma vez de que devemos nos orgulhar das nossas vastidões sem fim, da natureza, do balé, dos grandes escritores, da ida para o espaço, do hóquei, dos grandes governantes e de muitas outras coisas (...) Mas se as pessoas que assistiram ao vídeo enxergaram nele apenas a propaganda de cerveja –simplesmente tenho pena delas."

O fato de o pai de Duchovni ter nascido em uma família judia, que emigrou da Ucrânia para os EUA antes da revolução de 1917, adiciona um tempero especial. Na época, a Ucrânia era parte do Império Russo. Com qual nação deve identificar-se o norte-americano Duchovni nesta situação? No dia 4 de abril, Duchovny postou em seu Twitter: “Cresci pensando que eu era russo apenas para descobrir recentemente que o tempo todo eu era ucraniano. Nunca é tarde para mudar.”

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.