“Rússia e UE são vítimas da crise na Ucrânia"

"Todos os países da União Europeia estão interessados ​​nas boas relações com a Rússia" Foto: Reuters

"Todos os países da União Europeia estão interessados ​​nas boas relações com a Rússia" Foto: Reuters

Gazeta Russa apresenta os destaques da entrevista do representante da União Europeia na Rússia, Vygaudas Ušackas, à agência de notícias Ria Nóvosti.

O representante da União Europeia na Rússia, Vygaudas Ušackas, acredita que as diferenças entre Moscou e Bruxelas são temporárias e declarou que a Europa continua a ver Moscou como um parceiro importante e natural, tanto na economia como na política.

A Gazeta Russa apresenta os destaques da sua entrevista à agência de notícias Ria Nóvosti.

Sobre as críticas da Rússia

"Na minha opinião, agora é muito importante não trocar acusações. Acho que é preciso, em primeiro lugar, garantir o livre acesso ao local da tragédia com o avião para realizar a investigação. Em segundo lugar, todas as partes envolvidas no conflito devem aceitar a responsabilidade política pela tragédia. No contexto dos acontecimentos recentes, estamos muito decepcionados com o fato de que até agora não foi feito um apelo público aos separatistas para que detenham as ações militares.

Sobre as sanções

O fato de a UE aprovar sanções contra políticos russos é uma anomalia. Tudo na vida é temporário, e as sanções não são uma exceção. Quando são aprovadas por um período temporário podem ser prolongadas ou canceladas. O objetivo das sanções é influenciar sobre as decisões dos nossos parceiros. O próprio fato de que no século 21 aprovemos as sanções contra a Rússia é impressionante.

O que impede o entendimento mútuo

Para ser sincero, um dos problemas mais complexos é a percepção e apreciação da Ucrânia. Na Rússia, entendem que a Ucrânia é uma parte do patrimônio histórico da Rússia. A posição da União Europeia baseia-se no fato de a Ucrânia ser um Estado independente, que tem o direito de tomar decisões independentes sobre as suas relações com outros países. Enquanto ainda não conseguimos encontrar uma solução comum para o conflito, será muito difícil recuperar nossa sintonia anterior.

Sobre a cooperação com a Rússia

Nós sempre declaramos que não temos um parceiro econômico e político mais natural e próximo que a Rússia, e não só porque compartilhamos o mesmo continente e uma mesma história. Também seria muito mais benéfico colaborar após a criação de um espaço econômico comum de Lisboa a Vladivostok.

É preciso entender que agora somos vítimas da crise na Ucrânia. Se não encontrarmos uma abordagem comum para a estabilização da situação na Ucrânia, será muito difícil voltar às nossa relações antigas, que foram bem-sucedidas para todas as partes.

Todos os países da União Europeia estão interessados ​​nas boas relações com a Rússia, não só comerciais, mas também em termos de política internacional, ciência e educação, áreas que atualmente estão se desenvolvendo de forma muito satisfatória, independentemente da profunda crise política.

Este é o Ano da Ciência na União Europeia e na Rússia. Além disso começarão os novos programas Horizonte 2020 que oferecerão enormes oportunidades para cientistas e pesquisadores russos. No outono deste ano começará um novo programa de intercâmbio de alunos e professores no âmbito do programa Erasmus +.

Sobre a cúpula UE-Rússia

É importante apoiar o diálogo sobre a resolução da crise no nível mais alto. Estou convencido de que os atuais e os futuros líderes da Comissão Europeia e do Conselho da União Europeia prestarão muita atenção às relações com a Rússia e à resolução do conflito na Ucrânia.

Não posso dizer quando a cúpula será realizada, mas como representante da União Europeia estou muito decepcionado com as mudanças nas relações com a Rússia. Ao mesmo tempo, espero que a gente saia dessa fase da crise através de restauração inevitável da confiança entre os nossos países.

 

Publicado originalmente pela RIA Nóvosti

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.