Rio recebe seminário sobre a política externa russa

Estudiosos e pesquisadores de Relações Internacionais presentes ao seminário lembraram a expansão da Otan no período posterior à desagregação da União Soviética Foto: Thiago Ripper

Estudiosos e pesquisadores de Relações Internacionais presentes ao seminário lembraram a expansão da Otan no período posterior à desagregação da União Soviética Foto: Thiago Ripper

Realizado no final de julho, evento mostrou país sob os mais diversos ângulos, desde sua associação aos Brics à crise ucraniana.

Diretor-executivo do Comitê Nacional da Rússia de Pesquisa sobre os Brics e da Fundação Russkiy Mir, Geórgui Toloraia destacou o papel preponderante que seu país passou a ocupar no bloco. Os planos de cooperação regional e multilateral debatidos, como a criação de um fundo de apoio contra instabilidades financeiras dos países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e de um banco de fomento, demonstram para Toloraya o elevado potencial dessa cooperação, ressaltado na recente visita do presidente Vladimir Putin à América Latina.

Toloraia esteve no Rio para o seminário Política Externa Russa, promovido pelo Conselho Empresarial Rússia-Brasil e pelo Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais), na sede da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro).

Para ele, a visão distorcida que prevalece em grande parte da mídia e das elites do Ocidente é um obstáculo a ser superado pela diplomacia russa.

"Hoje somos identificados com a Coreia do Norte, um país isolado, atrasado e de regime ditatorial", diz Toloraia. É um preconceito que trata a Rússia como herdeira direta da União Soviética. "Com o comunismo, éramos carta fora do baralho. Fizemos a reforma capitalista, e seguem nos destinando papel secundário, de fornecedor de energia e matérias-primas."

Esse desencanto ajuda a explicar o entusiasmo russo com os Brics, a busca de uma opção econômica e um projeto político alternativo às instituições de Bretton Woods (Fundo Monetário Internacional - FMI e Banco Mundial - BIRD).

Animado com o crescente entrosamento dos Brics, Toloraia mostra cautela, entretanto, ao comentar os possíveis termos da integração russa com a maior economia do bloco, a China. O pesquisador teme que a seu país fique mais uma vez reservado um papel subalterno, com a China fornecendo tecnologia e produtos de maior valor agregado, e comprando energia e matérias-primas.

Ele admite, entretanto, o risco de um isolamento diplomático crescente da Rússia, deixando a China como uma das principais opções de intercâmbio econômico significativo.

Sem fazer menção direta às sanções diplomáticas e econômicas coordenadas pelos Estados Unidos em resposta às manobras russas na Ucrânia, Toloraya questiona o momento atual. "As formas de guerra mudaram. É possível esmagar um país sem usar armas, quebrando-o por dentro", explica.

Assim, segundo ele, a América Latina, onde a opinião média sobre a atuação russa não é tão negativa, cresce em importância como alternativa de cooperação em diferentes áreas, como petróleo, gás natural e indústria aeroespacial.

Sanções

Mediador do debate, o jornalista Guilherme Serôdio, do Valor Econômico, questionou Toloraia sobre o efeito de sanções como a restrição à compra de ações de bancos russos e a venda de dutos para transporte de petróleo e gás. "O regime de escassez também afeta a Europa. Fora dos EUA, o gás de xisto não é alternativa ao gás de duto, pelo impacto ambiental e a falta de escala", explica.

Maior demandante de gás natural e petróleo da Rússia, a Europa é seu maior fornecedor de bens de consumo. Assim, um cenário de continuidade das sanções alimentaria a insatisfação da classe média emergente na Rússia, afetando a popularidade do governo, e prejudicaria as exportações. "A queda de rating da dívida soberana e dos títulos privados reflete esses problemas, agravados pela escassez de tecnologias próprias", afirma Toloraia.

Foto: Thiago Ripper

A opção chinesa é a melhor em escala de mercado para suprir a lacuna europeia, mas Toloraya não nega o temor russo de bases prejudiciais a seu país. Um grande contrato de fornecimento de gás natural russo para a China, por exemplo, exigiu enormes concessões, somente viáveis com o envolvimento do poder central.

"A cooperação política tem que ir à frente, dada a força preponderante de estatais e do financiamento governamental na África, na América Latina e no Sudeste da Ásia,” exemplifica.

Para o pesquisador, a China não busca obrigar seus parceiros a oferecer vantagens. "Eles apostam nos diferenciais competitivos que dispõe. Da Rússia, recebem só armas, energia e matérias-primas. Da Austrália, basicamente minério de ferro e carvão, vendendo para eles produtos industrializados. O Brasil vive quadro muito semelhante com a China," conclui.

Queda de avião

A derrubada do avião da Malaysian Airlines agravou a crise na Ucrânia, estressando ao máximo a relação entre a Rússia e o governo do país vizinho. Segundo Toloraia, o gabinete ucraniano chegou a aventar a intervenção de tropas da Otan para acabar com os separatistas, o que deixaria tropas europeias e americanas a pouco mais de 600 km de Moscou.

"A situação deve ser resolvida pelos ucranianos, sem interferência externa, mas o que pouca gente leva em conta no Ocidente é a pressão sobre Pútin para que intervenha em favor da etnia russa, numerosa na Ucrânia," explicou. A reanexação da Crimeia, território da então República Socialista Federativa Soviética da  Rússia cedido à Ucrânia por ocasião dos acordos de separação da União Soviética, se explicaria nesse contexto.

Estudiosos e pesquisadores de Relações Internacionais presentes ao seminário lembraram a expansão da Otan no período posterior à desagregação da União Soviética, e questionaram por quanto tempo a Rússia assistiria a esse cerco sem reagir. "Entre deputados e personalidades de destaque na vida russa, é cada vez mais comum ouvir opiniões assim,” argumenta.

A Rússia deve se preparar para um longo período sem cooperação ou amizade com o G-7, o grupo dos países mais ricos do mundo. Mas uma escalada de confronto aberto está descartada. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.