Batalha de imprensa em torno do voo MH17

Alguns jornais russos tentaram oferecer uma interpretação paralela da queda do MH17 Foto: Reuters

Alguns jornais russos tentaram oferecer uma interpretação paralela da queda do MH17 Foto: Reuters

Incidente na Ucrânia tomou as primeiras páginas de jornais ao redor do mundo, e tragédia está se transformando em um verdadeiro pesadelo de relações públicas para o Kremlin. O veículo Russia Direct apresenta um apanhado geral de como os jornalistas – tanto russos, como ocidentais – vêm cobrindo o evento.

A tragédia com o avião da Malaysia Airlines causou indignação mundo afora. Além de o ocorrido aumentar as desavenças entre Moscou e Washington, coloca o Kremlin em uma posição muito vulnerável, na medida em que as autoridades russas se veem obrigadas a explicar seu papel na Ucrânia.

Os meios de comunicação internacionais imediatamente culparam o Kremlin pelo incidente, sugerindo que os jornalistas russos não tinham conseguido cobrir a história em tempo hábil e com a devida responsabilidade. Diante das acusações, a TV estatal da Rússia respondeu imediatamente às afirmações do Ocidente com inúmeras teorias de conspiração, com um quê de propaganda, em vez de apresentar informações sérias.

Pesadelo de RP

O jornal “Kommersant” apresentou um panorama da reação dos veículos de comunicação ocidentais, incluindo tabloides, e publicou diversas capas de jornais em sua conta do Facebook, acompanhadas de algumas manchetes e citações: “Inferno na Terra: 295 mortos – até dez britânicos – com abate de avião”, “Rebeldes ucranianos são culpados – EUA diz que Pútin está envolvido” (Daily Mail); "”O míssil de Pútin: voo MH17 é abatido no céu” (The Sun), “Assassinato no céu: míssil destrói avião e mata 295” (The Guardian), entre outros. O “Kommersant” tentou mostrar  versões diferentes da tragédia propostas por jornais estrangeiros, com toda a sua diversidade e pluralismo.

No entanto, como um artigo do “The Guardian” sugeriu em suas primeiras linhas, o incidente com o Boeing “domina páginas de jornais de todo o mundo, mas não na Rússia”. O jornal britânico também apontou para o crescente número de teorias de conspiração rondando as mídias sociais e a TV na Rússia.

Paralelamente, a Radio Free Europe/Liberty dirigiu suas críticas aos canais estatais da Rússia, argumentando que, “a televisão estatal russa se esforça para lançar versões da história apontando para todas as direções possíveis – exceto para a própria Rússia e para os militantes pró-Moscou que lutam no leste da Ucrânia”.

O “The Guardian” convidou ainda ex-Pussy Riot Maria Alekhina para escrever em sua página de opinião e criticar a mídia russa, que supostamente “encobre a cumplicidade de Pútin na tragédia do MH17”, enquanto o “The Sunday Times” ofereceu espaço em sua seção de opinião para o primeiro-ministro britânico David Cameron, que vê o incidente envolvendo o MH17 como “uma afronta arquitetada em Moscou” que o chocou e “nunca será superada”.

Já o “The New York Times” deu voz a Timothy Garton Ash, professor de estudos europeus na Universidade de Oxford e membro sênior do Instituto Hoover, e a revista “Foreign Policy” recorreu a Mark Galeotti,  professor de relações internacionais na Universidade de Nova Iorque.

Ash descreve a tragédia com o Boeing como sendo o resultado de uma “doutrina mortal de Pútin” para proteger os russos no leste da Ucrânia e uma “hipocrisia em escala orwelliana”. Ele encara a cobertura da russa do evento como “uma narrativa maciçamente mentirosa”. Galeotti alega que o desastre do MH17 “representa o maior desafio já enfrentado pelo Kremlin em meses de guerra encoberta na Ucrânia, e que provavelmente pode levar a guerra a um fim em breve – pelo menos, sem mais derramamento de sangue”.

Perspectiva diferente

Alguns jornais russos tentaram oferecer uma interpretação paralela da queda do MH17. Maksim Kononenko, colunista do jornal pró-Kremlin “Izvéstia”, vê o incidente como uma “provocação” contra a Rússia, tal como indica o título de sua coluna: “A crônica de uma provocação amplamente divulgada”.

Logo após a tragédia, a rádio Kommersant FM deu espaço ao chefe da Comissão de Aviação Civil da Rússia, Oleg Smirnov, que transferiu a responsabilidade pelo acidente com o MH17 para Kiev. Ele ressaltou que o governo ucraniano se comprometera a garantir a segurança em altitude não inferior a 7.000 metros em resposta às solicitações da UE. “A Ucrânia, neste caso, foi imprudente”, declarou Smirnov, criticando fortemente Kiev por permitir voos sobre o seu espaço aéreo em uma zona perigosa.

No dia seguinte, a mesma rádio convidou o lado ucraniano para uma entrevista, representado por Serguêi Sobolev, líder do partido Batkivschina. Sobolev refutou qualquer responsabilidade do Exército ucraniano, que, segundo ele, não tem armas capazes de atingir o Boeing. Em vez disso, culpou a Rússia e Pútin por apoiar “terroristas”, que, “obviamente”, abateram o jato, em suas próprias palavras.

 

Russia Direct é um veículo de comunicação internacional com foco em análise de política externa.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies