Brics e Unasul discutem criação de novo banco

Os líderes discutiram, entre outros assuntos, a inclusão social com desenvolvimento sustentável Foto: Palácio do Planalto

Os líderes discutiram, entre outros assuntos, a inclusão social com desenvolvimento sustentável Foto: Palácio do Planalto

Segunda reunião conta com participação de presidentes da América do Sul; Dilma considerou encontro como momento histórico para o país.

O presidente Vladímir Pútin participou na tarde dessa quarta-feira (16) do segundo dia de reuniões da 6ª Cúpula do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que aconteceu no Palácio do Itamaraty, em Brasília. Além dos líderes dos países integrantes do bloco, participaram como convidados mandatários de 11 nações sul-americanas, entre eles a presidente da Argentina, Cristina Kirchner e os presidentes da Bolívia, Evo Morales e da Venezuela, Nicolás Maduro.

Os 16 líderes discutiram, entre outros assuntos, a inclusão social com desenvolvimento sustentável, a criação, nessa terça-feira, do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) para o Brics e do fundo de reservas para o bloco. A imprensa, contudo, não teve acesso ao teor das reuniões.

Foto: Palácio do Planalto 

Na sessão conjunta, cada líder falou de seu país e de como o novo banco pode contribuir para o desenvolvimento e integração das regiões. Ao final, a presiente Dilma Rousseff fez um brinde e destacou que considera um momento histórico a recepção dos dois blocos np Brasil. “Esse brinde se constitui na afirmação de um caminho conjunto. Uma relação de união permanente entre Brics e Unasul”, afirmou a presidente do Brasil.

Poucos líderes falaram com a imprensa ao fim do encontro. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse que foi feita uma proposta de aliança de trabalho entre o banco do Sul e o banco dos Brics. Ele afirmou que irá colocar o tema no encontro da Unasul, previsto para ocorrer em Montevidéu, no Uruguai, em agosto.

Crírticas

Antes da reunião, Dilma Rousseff recebeu o primeiro ministro da Índia, Nerendra Modi, no Palácio do Planalto para um café da manhã. Na ocasião, ela rebateu as críticas da imprensa de que o Brasil teria cedido a presidência do novo banco. “Se a gente tivesse ficado com a primeira vice-presidência a imprensa estaria dizendo: o Brasil perdeu a sede. Cada país tem seu papel e isso acontecerá sistematicamente”, destacou Dilma

A presidente afirmou ainda que  os países integrantes do bloco não estão abrindo mão da presença em outras instituições multilaterais após a criação do Banco do Brics. "De maneira alguma. Um dos pontos de pauta de ontem foi o problema da reforma acertada no G20 das instituições financeiras multilaterais, como o FMI (Fundo Monetário Internacional), por exemplo. Não temos o menor interesse em abrir mão do FMI. Pelo contrário. Temos interesse em democratizá-lo", disse Dilma.

O objetivo do novo banco será o financiamento de projetos de infraestrutura em países emergentes e o capital inicial será de US$ 50 bilhões, podendo chegar a US$ 100 bilhões. A sede do banco ficará na China e o primeiro presidente será indiano. O Brasil poderá indicar o primeiro presidente do Conselho de Administração. A ideia é de que o NBD comece a funcionar em 2016, inicialmente, só para os países do bloco. A próxima Cúpula do Brics está marcada para julho de 2015, na Rússia.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies