Rússia e China vão cooperar na área de geotecnologia

A decisão de modificar as estações GPS surgiu após a recusa dos Estados Unidos de instalar estações do sistema russo Glonass no seu território Foto: Artiom Jitnev/RIA Nóvosti

A decisão de modificar as estações GPS surgiu após a recusa dos Estados Unidos de instalar estações do sistema russo Glonass no seu território Foto: Artiom Jitnev/RIA Nóvosti

"Vemos grandes perspectivas de cooperação entre o sistema Glonass e o chinês Beidou, especialmente porque o nosso está orientado às terras do Norte e o sistema chinês às do Sul. A colaboração permitirá criar o sistema de navegação mais poderoso do mundo", disse o vice-primeiro-ministro da Federação Russa, Dmítri Rogôzin.

O vice-primeiro-ministro da Federação Russa, Dmítri Rogôzin, e o seu homólogo chinês, Yan Van, chegaram a um acordo para desenvolver a cooperação nos sistemas de referência geográfica Glonass e Beidou.

O vice-primeiro-ministro russo, que afirmou que a existência de um sistema de navegação própria é uma caraterística de um grande Estado, enfatizou a importância do entendimento.

"Vemos grandes perspectivas de cooperação entre o sistema Glonass e o chinês Beidou, especialmente porque o nosso está orientado às terras do Norte e o sistema chinês às do Sul. A colaboração permitirá criar o sistema de navegação mais poderoso do mundo", disse Rogôzin.

Ele declarou que, tendo em conta a aproximação da Rússia e da China, o Ocidente terá um concorrente capaz de competir em precisão e em outras características em relação aos sistemas de navegação. "Nossa missão é que os usuários civis tenham a supremacia", disse.

De acordo com Van Yan, se trata não apenas de uma importante cooperação científica e tecnológica, mas também de um importante passo político.

No encontro, Rogôzin também discutiu Yan as perspectivas da criação conjunta de um avião de fuselagem larga e as possibilidades de criação de um novo helicóptero, que substituiria o Mi-26.

Os especialistas avaliaram os acordos alcançados entre a Rússia e a China positivamente.

"Estamos vendo que a cooperação com a China está se desenvolvendo em diferentes direções, inclusive o espaço", diz o membro da Academia Espacial Russa Andrêi Iónin. “Os EUA e a União Europeia são parceiros politizados e pouco confiáveis​​."

“O programa espacial-militar da China está se desenvolvendo muito rapidamente. Eles têm imensos recursos tecnológicos e humanos, equipes de construtores e engenheiros. A China é um parceiro confiável e justo", completou Iónin.

Parceiros ocidentais

Rogôzin também falou sobre a cooperação com os Estados Unidos. O vice-primeiro-ministro expressou sua esperança de que russos e americanos cheguem a um acordo sobre a distribuição dos sistemas GPS e Glonass até 1º de setembro.

“Em 1º de junho, as estações do sistema GPS no território da Federação Russa foram modificadas para que não possam ser usadas para fins militares", disse Rôgozin. "Espero que até 1º de setembro tenhamos um entendimento completo", disse.

A decisão de modificar as estações GPS surgiu após a recusa dos Estados Unidos de instalar estações do sistema russo Glonass no seu território.

"Desde o início dos anos 90, operam 11 estações GPS na Rússia e acreditamos que temos o direito de instalar estações semelhantes no território dos EUA", disse Rogôzin.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.