Tropas ucranianas são posicionadas na fronteira com a Rússia

Segundo Ministério da Defesa russo, grupo concentra quase 15 mil soldados do país vizinho Foto: AP

Segundo Ministério da Defesa russo, grupo concentra quase 15 mil soldados do país vizinho Foto: AP

Segundo informações do vice-ministro da Defesa russo, Anatóli Antonov, o Exército ucraniano concentrou 15.000 soldados na fronteira com o território russo. Proposta de Pútin de adiar o referendo no sudeste da Ucrânia foi refutada em meio à continuidade de operações militares na região.

Na última terça-feira (6), um grupo americano-norueguês efetuou, no âmbito do Acordo de Céu Aberto, um voo de reconhecimento ao longo da fronteira com as regiões ucranianas de Kharkov e Lugansk. No dia seguinte, foram para a região ao sul de Brianks, tendo sobrevoado o território fronteiriço ao longo das localidades de Glukhov-Sumi. A parte russa não apresentou qualquer obstáculo à escolha da rota de voo e também não foi detectada nenhuma evidência de atividades militares secretas.

“Mas, em declarações públicas, são transmitidos clichês de propaganda contrários que acusam a Rússia de violar suas obrigações”, declarou o vice-ministro da Defesa russo, Anatóli Antonov. “Os parceiros ocidentais nos convenceram a apresentar uma ‘transparência unilateral’ e dar livre acesso a missões de inspeção complementares no território russo.”

Antonov salientou que até agora não existe um único Estado-membro da Otan, incluindo os Estados Unidos, que tenha apresentado à Rússia qualquer queixa formal de descumprimento ou violação direta das obrigações internacionais por parte da Federação Russa no domínio das armas convencionais.

De acordo com a conversa telefônica entre os autoridades de defesa da Rússia e dos Estados Unidos, as tropas russas se retiraram para os seus locais de aquartelamento permanente depois de terminadas as manobras militares junto à fronteira russo-ucraniana no final de abril.

“No âmbito do Acordo de Céu Aberto e do Documento de Viena de 2011, nos últimos 2 meses nós facilitamos dezenas de atividades de inspeção, incluindo um voo extraordinário de reconhecimento da Ucrânia sobre a região da Rússia ao longo da fronteira”, acrescentou o vice-ministro russo.

Paralelamente, Antonov criticou o lado ucraniano por retomar o recrutamento das Forças Armadas e concentrado tropas na fronteira com a Rússia, onde teriam sido desdobrados 15.000 soldados ucranianos. “Isso não vai contribuir para acalmar a tensão na Ucrânia”, disparou a autoridade russa.

Vontade do povo

Apesar da recente declaração feita pelo presidente russo, Vladímir Pútin, sobre um possível adiamento do referendo sobre o estatuto das regiões no sudeste da Ucrânia, os defensores da federalização não pretendem alterar os planos. De acordo com o copresidente da República Popular de Donetsk, Denis Puchilin, os membros dos conselhos populares das regiões de Lugansk e Donetsk votaram por unanimidade na recusa em transferir o referendo para uma data posterior.

“Vladímir Pútin está procurando opções para resolver a situação e nós somos gratos a ele por isso, mas somos nós os únicos porta-vozes do povo, apenas nós expressamos que o povo quer”, disse Puchilin, citado pela agência Ria Nóvosti. Segundo ele, “em um ambiente onde as autoridades de Kiev seguem realizando uma operação especial, no povo apenas se intensifica o desejo de realizar a votação”.

No referendo, os moradores locais responderão se apoiam o ato de proclamação da independência estatal da República de Donetsk. No entanto, o secretário do Conselho da Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia, Andrei Parubi, adiantou que a operação especial de força no sudeste da Ucrânia “vai continuar, independentemente da decisão das regiões em relação ao referendo”.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.