Sanções americanas no setor espacial entram em vigor

Roscosmos já teria planejado oito lançamentos de satélites estrangeiros Foto: kinopoisk.ru

Roscosmos já teria planejado oito lançamentos de satélites estrangeiros Foto: kinopoisk.ru

O lançamento de satélites europeus com a ajuda de foguetes russos está ameaçado. O Departamento de Comércio dos EUA proibiu o fornecimento russo de materiais militares e de propósito duplo provindos. Nessa categoria estão incluídos os satélites europeus que possuem, em sua maioria, componentes americanos.

Os satélites de telecomunicações de Luxemburgo, Turquia e Inglaterra que haviam sido programados para lançamento no meio do ano dificilmente entrarão em órbita com a ajuda do foguete russo Próton-M se a União Europeia continuar apoiando sanções contra a Rússia.

As medidas também se aplicam a empresas que planejam lançar seus satélites no Próton-M a partir do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, sob o contrato com a Launch Services International, propriedade da Khrunichev Space Center (KSC), e em outros lançadores como o Soyuz e o Dnepr.

Atualmente, quatro empresas são capazes de lançar equipamentos em órbita geoestacionária:

1. A russa Launch Services International, com foguetes Próton-M;

2. A europeia Arianespace, com lançadores Ariane 5;

3. O consórcio internacional Sea Launch, que lança foguetes em plataformas marítimas;

4. A empresa privada americana Space X, com foguetes Falcon. 

O custo de cada lançamento do Próton-M chega a até US$ 100 milhões. A Rússia poderá sofrer perdas econômicas consideráveis em 2014, já que estão planejados mais 8 lançamentos de satélites estrangeiros, de acordo com a Agência Espacial Russa (Roscosmos).

A KSC está certa de que o programa de lançamentos comerciais não será interrompido neste ano. “A ILS, empresa que exerce a comercialização do lançador Próton-M no mercado mundial, possui todas as licenças necessárias junto ao departamento de Estado dos EUA”, diz o representante da empresa Aleksandr Bobrenev. “Essas licenças foram obtidas em contratos com duração até 2015.”

No início de abril, o diretor da Agência Espacial Europeia (ESA), Jean-Jacques Dordain, disse que os países do bloco não pretendem limitar a cooperação com a Rússia no setor espacial por causa da situação com a Ucrânia. “Nenhum dos governos dos 20 membros da ESA, quase todos dos que são membros da Otan, e nenhum dos 28 países da União Europeia  mencionaram a interrupção dos projetos com a Rússia no domínio da exploração espacial”, declarou Dordain.

Futuro de Kourou

A dependência da UE em relação à Rússia no setor espacial é mais intensa do que com os EUA. Por exemplo, Rússia e França desenvolvem conjuntamente o projeto Centro Espacial da Guiana. Em 200, os países concordaram lançar o foguete Soyuz para o transporte de cargas espaciais a partir de Kourou, cosmódromo localizado na Guiana Francesa.

A localização geográfica de Kourou é ideal para lançamentos de satélites e outros veículos espaciais, tendo em vista que a proximidade com o Equador permite uma grande economia de combustível durante o voo de lançamento dos foguetes. A França construiu toda a infraestrutura necessária em Kourou, incluindo a plataforma de lançamento, e a parte russa participou da empreitada com os novos veículos de lançamento Soyuz ST, projetados especialmente para o projeto.

O primeiro lançamento do Soyuz, com dois satélites europeus Galileo, a partir do Centro Espacial da Guiana foi realizado em outubro de 2011.  Em menos de três anos já foram realizados sete lançamentos bem sucedidos. Em abril deste ano, o Soyuz ST orbitou com o satélite europeu de sensoriamento remoto Sentinel-1A, que realizará o monitoramento global de fenômenos naturais.

Logo após esse lançamento, a Arianespace, uma das maiores operadoras de lançamentos espaciais do mundo, assinou um contrato com a Roscosmos para o fornecimento de mais sete foguetes transportadores Soyuz St até 2019.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.