"A Rússia e a Otan devem cooperar no Afeganistão"

Secretário-geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen Foto: Reuters

Secretário-geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen Foto: Reuters

Até o final de 2014, o principal contingente da Força Internacional de Assistência para Segurança (ISAF na sigla em inglês) deverá abandonar suas bases no Afeganistão. O secretário-geral da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), Nikolai Bordiuja, falou sobre o papel da Rússia na situação no Afeganistão.

ITAR-TASS - As tropas norte-americanas começaram a sair do Afeganistão. Como você poderia avaliar os resultados da operação no país?

Todos os membros da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC) e até o governo do Afeganistão afirmam que o enorme contingente de tropas ocidentais não conseguiu alcançar os objetivos. Foi um fracasso.

Na minha opinião, a razão principal é que, ao contrário das tropas soviéticas [o país fez uma campanha no Afeganistão no final da década de 1970], que tentaram restaurar a paz, criar infraestrutura e fornecer ajuda econômica ao povo afegão, as tropas da Otan e dos Estados Unidos resolveram apenas tarefas militares. E, em muitos casos, pela força.

A saída das tropas da coalizão prevê ameaças ou riscos para os países da Ásia Central e para a Rússia? Como a OTSC planeja reduzir o potencial dos possíveis riscos?

O Afeganistão é uma zona de instabilidade, é um território com grande número de grupos militares, diferentes organizações extremistas, campos de treinamento militar e tráfego de drogas. Tudo isso afetará a segurança dos países vizinhos.

A Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), também conhecida como Tratado de Tashkent, é uma aliança militar entre governos assinada em 15 de maio de 1992. Em 7 de outubro de 2002, os presidentes de Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia e Tadjiquistão assinaram uma ratificação em Tachkent, fundando oficialmente a OTSC. Na ocasião, Nikolai Bordiuja foi nomeado secretário-geral da nova organização.

Não esperamos uma invasão, não acreditamos que hoje no Afeganistão existem forças que poderiam invadir o Tadjiquistão, o sul do Quirguistão ou outros países. No entanto, estou convencido de que eles tentarão penetrar nesses países.

Durante o último semestre, o número de conflitos na fronteira entre o Tadjiquistão e o Afeganistão tem aumentado significativamente. Os criminosos já realizaram várias tentativas de cruzar a fronteira com o Tadjiquistão.

As tropas dos EUA e dos outros países da Otan não conseguiram resolver o problema de tráfico de drogas. Por quê?

A guerra contra as drogas é uma prioridade para a Rússia. Estamos realizando várias operações e coordenamos as ações com os aliados.

Além disso, de acordo com uma iniciativa aprovada pelos nossos presidentes, a OTSC está criando um Centro de Operações Especiais contra o Tráfego de Drogas.

As forças da Otan não lutaram contra a produção de drogas no Afeganistão porque tinham outras tarefas. 

A Rússia vai continuar a cooperação com os Estados Unidos e os países da Otan na resolução da situação no Afeganistão?

Acho que não devemos parar ou congelar a cooperação. Devemos aproveitar as oportunidades para colaboração e normalizar a situação no Afeganistão. 


Publicado originalmente pela agência ITAR-TASS

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.