Kremlin planeja novas instalações de apoio militar no exterior

Única IATM que a Rússia tem atualmente no exterior fica no porto de Tartus, no norte da Síria Foto: Photoshot/Vostock-Photo

Única IATM que a Rússia tem atualmente no exterior fica no porto de Tartus, no norte da Síria Foto: Photoshot/Vostock-Photo

Diferentemente das bases militares, estruturas servirão para abastecimento de veículos e descanso dos soldados.

“Rússia avança com suas bases militares.” Algumas semanas atrás, jornais internacionais bombardearam os leitores com manchetes como esta, depois de o ministro da Defesa russo, Serguêi Choigu, ter mencionado que Moscou estaria fortalecendo seus laços técnico-militares com uma série de países e que instalações russas poderiam surgir, em breve, para além de Cuba e Vietnã, ganhando espaço no Chipre, Venezuela e Nicarágua.

O Ministério das Relações Exteriores da Venezuela prontamente negou a criação de tal base militar no país. Logo depois, foi a vez da Nicarágua emitir uma declaração idêntica. Somente depois do pronunciamento das autoridades estrangeiras que o vice-ministro da Defesa russo, Anatóli Antonov, esclareceu a polêmica em torno das bases militares na América Latina.

“As unidades da Força Aérea e da Marinha não necessitam de presença permanente nesses países”, disse Antonov, acrescentando que há possibilidade de criar no território de Cuba, Venezuela e Nicarágua apenas instalações de apoio material e técnico para os navios russos. “Estamos interessados ​​em criar condições que nos permitam garantir o aprovisionamento de água e comida aos nossos navios longe da costa russa e garantir o descanso dos marinheiros.”

Mas, afinal, qual é a diferença fundamental entre uma base militar e instalações de apoio técnico e material (IATM)? Enquanto na base militar há um grande número de tropas, equipamentos militares e armas, as IATM não possuem nada disso. Dependendo das missões das IATM, há apenas técnicos e meios para abastecimento de água, combustível, óleo e lubrificantes dos navios ou aeronaves que chegam à região.

Bases externas

Os Estados Unidos têm mais de sessenta bases militares em todo o planeta, distribuídas por todos os continentes. Existem, por exemplo, bases militares dos EUA na ilha japonesa de Okinawa. Lá estão presentes tropas terrestres, navios, sistemas de defesa aérea e centros de comunicação do Pentágono, incluindo o comando da Quinta Força Aérea dos EUA. No total, estão alocados 36 caças F-16 e 54 caças F-15 (ambos capazes de transportar armas nucleares), uma dezena e meia de aeronaves de reabastecimento aéreo KC-135, um esquadrão AWACS (aeronaves de alerta aéreo antecipado) e muitos outros equipamentos de combate e apoio. Calcula-se que 13.500 pessoas trabalham na instalação.

A Rússia também tem bases militares no exterior, embora todas estejam localizadas perto das suas fronteiras, no território das ex-repúblicas soviéticas. Uma das maiores é a 201ª base, no Tadjiquistão, que ocupa território em três cidades – Duchambe, Kulob e Kurgan-Tube. Até recentemente, ela era formada por uma brigada de infantaria motorizada com 5.000 homens. Hoje em dia, com a aproximação da retirada das tropas da Otan e dos EUA do Afeganistão e, portanto, com o aumento da ameaça de penetração de organizações terroristas radicais na Ásia Central, ela foi reforçada e elevada à estrutura de divisão. São cerca de 9.000 homens divididos por vários regimentos. Em caso de necessidade, a 201ª base dará apoio a outra base militar russa em Kant, no Quirguistão, onde existem caças-bombardeiros Su-25, caças MiG-29, aviões de transporte militar Il-76 e helicópteros.

Tanto a 201ª base como a base na cidade de Kant estão inseridas no sistema da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), que, além da Rússia, inclui Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Tadjiquistão. Em cada um desses países também existem bases militares russas. Cabe lembrar ainda as duas bases militares russas na Abecásia e na Ossétia do Sul.

Instalações de apoio

Por enquanto, a única IATM que a Rússia tem no exterior fica no porto de Tartus, no norte da Síria. Até pouco tempo atrás, existia lá uma oficina flutuante, um tanque com reservas de combustível e lubrificantes, depósitos com peças sobresselentes para consertos não planejados de navios e barcos que chegassem ao porto,  quarenta técnicos civis.

Agora que os navios de guerra russos voltaram para o oceano depois de uma longa pausa e, uma vez que os navios dos EUA e da Otan estão de alerta nas principais rotas de transporte, a Marinha nacional tem necessidade de novas IATMs. Porém, a criação dessas instalações externas é resultado de negociações bilaterais, já que tais pontos de serviço revelam interesses econômicos e não podem ter impacto na política interna ou externa dos Estados onde são construídos.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.