Autoridades locais temem efeito dominó na Transnístria

O território da Transnístria fazia parte da Rússia desde o final do século 18 Foto: ITAR-TASS

O território da Transnístria fazia parte da Rússia desde o final do século 18 Foto: ITAR-TASS

Após os desenvolvimentos na Crimeia, veio à tona a questão da Transnístria, região da Moldova com população russa que declarou a sua independência ainda em 1990, tendo se tornado independente de facto como resultado de um conflito armado em 1992. Como a situação na Transnístria é avaliada pelo governo da Moldova e da Rússia?

Chisinau: colapso da soberania

O atual presidente da Moldova, Nicolae Timofti, foi eleito em 2012 depois de conduzir uma campanha “Pela Integração Europeia”. A sua posição é inequívoca: deseja a retirada das tropas russas e o retorno da Transnístria à Moldova, sob a identificação de “região autônoma com estatuto especial”. Os partidos comunista de oposição, contudo, acreditam que a situação é um pouco mais complexa.

“Não” do Ocidente

Em 2003, com a participação de um enviado especial da Rússia, foi elaborado o Memorando Kozak, segundo a qual a Transnístria voltaria para a Moldova como membro da Federação. No último momento, o presidente do Partido Comunista, Vladímir Voronin, recusou-se a assinar o já rubricado memorando sob pressão do Ocidente.

O historiador, cientista político e deputado do parlamento pelo Partido Comunista da Moldova, Zurab Todua, alega que o Ocidente empurra persistentemente a Moldova para entrar em confronto com a Rússia. “Isso serve aos interesses das autoridades de Chisinau e Bucareste, que estão contando com a absorção da Moldova pela Romênia e estão dispostos a sacrificar a Transnístria”, explica.

No entanto, se os acontecimentos tomarem um caráter de “desmoronamento”, apenas uma parte da porção ocidental da Moldova passará para a Romênia. “A maioria da população, especialmente no norte e no sul do país, é a favor da integração na União Aduaneira e na União Econômica da Eurásia junto com a Rússia”, diz Todua.

Diante da situação, a Moldova teria apenas duas hipóteses para evitar um cenário no estilo da Crimeia" ou Ossétia do Sul na Transnístria. “Primeiro, se Chisinau não tentar resolver a questão territorial por meios militares e, segundo, se o país mantiver a estabilidade política interna”, acrescenta o deputado.

Ameaça interna

São cerca de 2.000 os militares russos na Transnístria: 1500 funcionários das tropas de força-tarefa e 400 soldados das forças pacificadoras. Esse número de soldados russos é considerado "ameaçador" na Ucrânia moderna.

Quanto à estabilidade, muitos já têm sérias dúvidas da sua existência. “Estamos assistindo na Moldova à romenização aberta e escancarada da população”, aponta o presidente do Partido dos Socialistas e deputado parlamentar, Igor Dodon. “Na região autônoma da Gagaúza, foi negado o referendo sobre a questão do vetor externo, do mesmo modo que os referendos foram proibidos em todas as regiões do país. O poder tomou o intransigente rumo para o Ocidente, apesar de, segundo todas as pesquisas realizadas, mais da metade dos cidadãos quererem ver a Moldova na União Aduaneira.”

Segundo Dodon, a única coisa que pode reaproximar a Moldova das fronteiras soviéticas é a federalização do país. “Chisinau não tem outro modo de chegar a acordo pacífico e consensual com Tiráspol para resolver esse problema de vinte anos, senão mudar radicalmente a estrutura administrativa do país”, afirma. Para os romenos, entretanto, a federalização da Moldova significa o fim da esperança de anexar o território e criar a Grande Romênia.

Moscou: violação dos direitos humanos

O território da Transnístria fazia parte da Rússia desde o final do século 18. A sua atual capital é a cidade de Tiráspol, fundada por Aleksandr Suvorov em 1792. Antes da revolução de 1917, a Transnístria foi dividida entre as províncias de Kherson, Podolia e Bessarábia.

Porém, ao longo dos últimos 23 anos, a Rússia nunca questionou a integridade territorial da Moldova. “Mas tudo indica que brevemente a Transnístria se verá alvo de um bloqueio cerrado”, garante o diretor do Instituto Internacional para Novos Estados, Aleksêi Martinov. “Nessa situação, a Rússia não poderá ficar indiferente ao destino dos 200 mil cidadãos russos que residem no território da Transnístria.”

Características regionais

A Transnístria tem três povos residentes: moldavos (31,9%), russo (30,3%) e ucranianos (28,8%) e três línguas oficiais: o moldavo (com alfabeto cirílico), o russo e o ucraniano. A moeda oficial do Estado é o rublo da Transnístria.

Segundo ele, embora se fale um possível “cenário da Crimeia aplicado à Transnístria”, esta região deverá passar por um processo único. “Se as autoridades de Chisinau não iniciarem o processo de reconhecimento de um segundo governo moldavo – a República Moldava de Transnístria – a Transnístria pode se tornar em breve a 85º unidade territorial da Federação Russa”, alega o especialista.

Por outro lado, o reconhecimento da Transnístria e inclusão à Rússia pode levar ao aparecimento de mais problemas do que os criados na Crimeia, apesar de a população do Estado ainda não reconhecido ser numericamente três vezes inferior.

Em primeiro lugar, a Rússia não tem fronteira comum com a Transnístria, e a comunicação aérea é problemática, devido à inexistência de um aeroporto civil em Tiráspol. Além disso, a reação da Europa Ocidental e dos EUA seria bem mais histérica, acredita Martinov.

 

Publicado originalmente pelo Vzgliad

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook


Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies