Sanções não influenciam exportações de armas para América Latina

Mi-28NE, helicóptero militar de ataque. Foto: Vitáli Kuzmin

Mi-28NE, helicóptero militar de ataque. Foto: Vitáli Kuzmin

Anatóli Issáikin, chefe da Rosoboronexport, a única exportadora autorizada de armas e equipamentos militares do país, não acredita que os Estados Unidos sejam capazes de impedir exportações de armas russas. Em 2013, país vendeu para o exterior um montante de US$ 13,2 bilhões em armas e itens militares.

Durante a coletiva de imprensa no Salão Internacional de Equipamentos Aeroespaciais e Militares “Fidae 2014”, realizado na semana passada no Chile, Issáikin disse que o fato de a Rosoboronexport permanecer sob sanções unilaterais dos Estados Unidos há mais de um ano só aumentou as exportações de armas russas.

No ano passado, o país vendeu para o exterior um montante de US$ 13,2 bilhões em armas e itens militares, um recorde de todo o período de existência da organização.

“Nos Estados Unidos há bastantes senadores que gostariam de proibir a venda de armas russas”, disse Isaikin, “mas a única forma legítima de proibição seria por meio do Conselho de Segurança da ONU, que não tem nenhum motivo para impor veto ao comércio de armas russas”.

Paralelamente, a experiência que quanto mais forte os chamados à proibição em Washington, mais ativamente os outros países começam procuram desenvolver a cooperação técnico-militar com a Rússia. Um exemplo disso é a América Latina, onde a Rússia teve um grande avanço no comércio de armas nos últimos quinze anos.

De acordo com Aleksandr Mikheiev, diretor-geral da holding “Russian Helicopters”, o parque de helicópteros de fabricação russa na América Latina aumentou 6% nos últimos três ano.

Além dos mais de trezentos helicópteros MI-8/17 civis e militares em amplo uso, os helicópteros de combate Mi-24/35 também estão em alta demanda. O Brasil, por sinal, planeja comprar o mais recente Ka- 62.

Os últimos salões internacionais técnico-militares mostraram ainda que o interesse nos veículos blindados russos, armas de pequeno porte e sistemas de lançamento de foguetes múltiplos ​​é “estável ou até mesmo crescente”, aponta Mikheiev. “Cada vez mais países estão tentando proteger seu espaço aéreo com sistemas de defesa aérea russos”, finaliza.

 

Publicado originalmente pela Rossiyskaya Gazeta

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.