Moradores do Alasca e Gaza fazem petição para se unir à Rússia

Petição intitulada “Alasca retorna à Rússia” cita as viagens dos exploradores russos do século 18 para a região Foto: wikipedia

Petição intitulada “Alasca retorna à Rússia” cita as viagens dos exploradores russos do século 18 para a região Foto: wikipedia

Anexação da Crimeia após a realização de referendo levou alguns moradores de locais distantes a organizarem petição para que tais áreas sejam também anexadas ao país.

A petição pedindo para o Alasca se separar dos EUA e se unir à Rússia reuniu mais de 12 mil assinaturas no site da Casa Branca, alguns dias depois de ter sido publicada por um morador local não identificado.

A petição intitulada “Alasca retorna à Rússia” cita as viagens dos exploradores russos do século 18 para a região, que foi uma colônia russa até os EUA compraram suas terras em 1867 por meros US$ 7,2 milhões (ou 120 milhões reajustados). A petição tem que obter 100 mil assinaturas até 20 de abril para ser revista pelo governo do presidente Barack Obama.

O site de petições da Casa Branca tem atualmente mais de 120 reinvindicações para colher assinaturas. Qualquer americano pode criar uma petição no site, conforme a Primeira Emenda, que protege a liberdade de expressão e o direito de petição ao governo.

No Oriente Médio, a versão em língua russa de um site palestino administrado pelo Hamas diz que falantes de russo na Faixa de Gaza preveem a realização de um referendo sobre seu território se juntar à Rússia, apesar de não haver nenhuma confirmação de qualquer plano pelos líderes do Hamas.

Um ativista supostamente envolvido no movimento e identificado apenas pela inicial “N” citou declarações de Moscou sobre a sua disponibilidade para proteger os cidadãos russos em qualquer parte do mundo, informa o site Palestine-info.ru.

Unir-se à Rússia proporcionaria a Gaza “armas modernas – mesmo as nucleares não devem ser descartadas”, diz “N”.

Segundo o site Palestina-info, 50 mil cidadãos russos vivem na Faixa de Gaza, sendo a maioria deles mulheres russas que se casaram com homens palestinos. O veículo “Voz da Rússia”, no entanto, cita relatos da imprensa confirmando que o número real de russos na região não chega a 400.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.