Parlamento da Crimeia decide anexar região à Rússia

Milhares de soldados, aparentemente sob o comando russo, tomaram o controle das bases militares ucranianas por toda a Crimeia na semana passada Foto: Serguêi Savostianov/RG

Milhares de soldados, aparentemente sob o comando russo, tomaram o controle das bases militares ucranianas por toda a Crimeia na semana passada Foto: Serguêi Savostianov/RG

Por votação unânime, autoridades aprovaram realização de referendo no próximo dia 16 para decidir o futuro da península. Presidente russo Vladímir Pútin reuniu-se com altos funcionários em uma sessão de emergência do Conselho de Segurança para discutir a decisão.

O Parlamento da Crimeia, região ucraniana com maioria étnica russa, decidiu nesta quinta-feira (6) separar-se do país e se tornar parte da Rússia, de acordo com um comunicado oficial publicado em seu site. 

Um referendo popular para aprovar a decisão ou restaurar a Constituição de 1992, segundo a qual a península permaneceria uma república autônoma dentro da Ucrânia, foi agendado para o dia 16 de março. 

A votação, que será impressa nos idiomas russo, ucraniano e tártaro, incluirá apenas duas perguntas. Nenhuma das questões permitirá aos eleitores indicar preferência pela independência. 

O presidente russo Vladímir Pútin reuniu-se com altos funcionários em uma sessão de emergência do Conselho de Segurança para discutir a decisão do Parlamento da Crimeia, informou o porta-voz do Kremlin, Dmítri Peskov.

Pútin declarou na última terça-feira (4) que a Rússia não estava considerando anexar a Crimeia ao seu território, mas que os moradores da região deveriam ser capazes de determinar o seu próprio futuro. 

Após a formação do novo governo em Kiev, vários protestos pela península de língua predominantemente russa pediam abertamente pela secessão e anexação russa. As autoridades locais também se recusaram a reconhecer a legitimidade do novo governo central em Kiev, que depôs o presidente Viktor Ianukovitch no último dia 22 de fevereiro. 

Milhares de soldados, aparentemente sob o comando russo, tomaram o controle das bases militares ucranianas por toda a Crimeia na semana passada. O Parlamento russo havia aprovado a intervenção militar na Ucrânia, mas Pútin negou que as tropas tivessem sido enviadas e se referiu aos soldados mascarados como “milícia local”. 

O referendo estava originalmente programado para 25 de maio, mesma data em que acontecerão as eleições presidenciais antecipadas da Ucrânia.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow News

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.