Greenpeace espera que ativistas deixem o país antes do Ano Novo

Ativistas estrangeiros libertados sob fiança estão acomodados em hotel de São Petersburgo Foto: Lenta.ru

Ativistas estrangeiros libertados sob fiança estão acomodados em hotel de São Petersburgo Foto: Lenta.ru

A ONG internacional Greenpeace tem expectativa de que os ativistas envolvidos no processo criminal sobre o incidente a bordo da plataforma de Prirazlomnaia, no Ártico, deixem a Rússia antes do Ano Novo. A declaração veio na sequência de anistia lançada pelo governo russo nesta quarta-feira (18).

Para deixar a Rússia, os estrangeiros que estavam a bordo do Arctic Sunrise devem primeiro receber uma ordem judicial que determine a conclusão do processo penal. O Greenpeace tem expectativa de o documento seja recebido até sexta ou segunda-feira. Depois que os ativistas forem livrados da acusação, terão que passar por vários procedimentos para obter o visto que permitirá sua saída da Rússia.

Uma representante do Greenpeace acrescentou que os ativistas podem recusar a anistia e enfrentar o julgamento para obter a absolvição completa. “Cada um vai tomar a decisão por conta própria”, disse. Os 26 ativistas estrangeiros estão acomodados em um hotel na cidade de São Petersburgo.

O navio Arctic Sunrise navegou rumo à plataforma de perfuração Prirazlomnaia, no mar de Pechora, em 18 de setembro. Alguns ativistas tentaram escalar a plataforma de perfuração, como um apelo para interromper a exploração de petróleo na região do Ártico.

Os guardas de fronteira russos contiveram o protesto, e o navio foi rebocado para o porto de Murmansk, no norte da Rússia. A princípio, os detidos foram acusados ​​de pirataria, mas o Comitê de Investigação atenuou a acusação para vandalismo. Os ativistas ficaram presos por dois meses antes de serem libertados sob fiança.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.