O espião que foi para o frio

Ilustração:  Natália Mikhailenko

Ilustração: Natália Mikhailenko

Pai do ex-agente norte-americano recomendou ao filho que fique na Rússia durante visita, em outubro. Snowden foi bem recebido no país, apesar de se mostrar recluso.

Seu advogado, Anatóli Kutcherena, declarou que o ex-agente da NSA (Agência de Segurança Nacional) está trabalhando desde 1° de novembro, embora não tenha informado o nome de seus empregadores. Além disso, Snowden está aprendendo russo e tem demostrado “certo progresso”, disse ele.

Responsável por revelar ao mundo documentos secretos do seu país sobre um programa de vigilância em massa, o agente poderia estar trabalhando agora para um dos principais sites da Rússia. Propostas não faltaram desde que lhe foi concedido o asilo no país.

Pável Durov, fundador do Vkontakte, o “Facebook russo”, foi quem fez a primeira proposta de trabalho. Com cerca de 43 milhões de usuários, o VKontakte é uma das poucas redes sociais no mundo que ganhou a batalha contra o Facebook em um país específico. 

“Creio que você possa se interessar por proteger os dados pessoais dos nossos milhões de usuários”, anunciou Durov a Snowden em agosto. Em novembro, porém, ele negou que Snowden pudesse começar a atuar em sua empresa.

A segunda proposta de colaboração do norte-americano partiu do chefe do grupo de trabalho para a proteção de dados pessoais do Conselho da Federação Russa (o senado russo), Ruslan Gattarov. Ele sugeriu a abertura de uma conta bancária e arrecadação de fundos para o ex-agente da NSA. “Ele não é rico, e seus recursos próprios não vão durar por muito tempo. Quero agradecer aos blogueirosque não são indiferentes ao seu futuro. Eu, claro, também ajudarei o quanto puder”, disse o senador.

Sem tempo ruim para espionar

Russos que estiveram associados com espionagem ou atividades secretas geralmente recebem propostas de trabalho interessantes na terra natal – o que muitas vezes gera escândalo.

O político e empresário Andrêi Lugovoi, por exemplo, acusado de envenenar o ex-espião Aleksandr Litvinenko com polônio radioativo em Londres, em outubro de 2006, tornou-se deputado da Duma de Estado (câmara baixa do Parlamento russo) pelo Partido Liberal Democrático um ano depois.

Já a sexy espiã ruiva Anna Chapman, extraditada dos Estados Unidos em junho de 2010 sob suspeita de trabalhar para os serviços de inteligência da Rússia, entrou para o Conselho Geral do movimento juvenil pró-Kremlin “Guarda Jovem” e posou para fotos sensuais em um ensaio na revista “Maksim”.

Em julho deste ano, Chapman propôs casamento a Snowden pelo Twitter: “Snowden, você quer se casar comigo?”. O ex-
agente da NSA rebateu: “Eu me casaria com Chapman sem pensar duas vezes”.

Snowden: flagrado pela televisão durante passeio em Moscou

Apesar de sua experiência cuidando de segredos de Estado, especialistas russos não acreditavam que Snowden continuasse no ramo, agora do lado russo. A possibilidade de se usar sua imagem para fins publicitários também foi descartada por muitos.

Com o futuro minado na terra natal, o analista foi aconselhado pelo pai, Lon Snowden, durante visita ao país em outubro, a permanecer na Rússia. Na ocasião, Lon declarou ter gostado do país e que os russos não são o que se imagina nos EUA.

“Fui para a Rússia como turista, como convidado, e sou muito grato a esse país por ter concedido asilo ao meu filho”, disse Lon.

O pai de Edward recebeu um visto de múltipla entrada na Rússia e disse ter intenção de voltar acompanhado por outros membros da família. 

Segundo Lon Snowden, Edward ainda não revelou todos seus segredos. Assim, os jornais devem manter os ouvidos atentos a suas histórias.

EUA de olho

Em uma de suas mais bombásticas revelações, divulgada em 15 de outubro pelo jornal “The Washington Post”, o agente mostrou que a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos coleta milhões de contatos dos usuários do Facebook, Gmail, Hotmail, Yahoo! e outros servidores. 

De acordo com informações de Snowden, um programa especial recolhe os dados de contato no momento em que os usuários acessam o sistema do servidor ou fazem a sincronia entre dispositivos.

Suas revelações geraram temor por sua vida mesmo em Moscou e até agora não se sabe onde o ex-consultor vive na Rússia. Seu advogado se limita a fazer declarações ocasionais.

Ao longo dos meses que já passou no país, a única coisa que se sabe é que tem permissão para circular livremente pela Rússia e que pouca gente o reconhece nas ruas. Além disso, Kutcherena o teria presenteado com clássicos da literatura russa, incluindo obras de Dostoiévski. “Ele quer ler e estudar. Se pudesse, viajaria ainda mais”, disse Kutcherena.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.