Agência brasileira espionou diplomatas russos

A notícia de que diplomatas estrangeiros, incluindo russos, foram investigados, surgiu na imprensa brasileira tendo como pano de fundo o escândalo da espionagem denunciado pelo ex-funcionário da CIA, Edward Snowden Foto: Reuters

A notícia de que diplomatas estrangeiros, incluindo russos, foram investigados, surgiu na imprensa brasileira tendo como pano de fundo o escândalo da espionagem denunciado pelo ex-funcionário da CIA, Edward Snowden Foto: Reuters

Cônsul russo no RJ e oficiais envolvidos nas negociações de equipamentos militares foram alvos de operações secretas.

A notícia de que o governo brasileiro monitorou diplomatas de três países estrangeiros, incluindo o cônsul-geral da Federação da Rússia no Rio de Janeiro, Anatóli Kachuba, e oficiais russos envolvidos nas negociações de equipamentos militares, foi apresentada pelo jornal “Folha de S.Paulo” no último dia 4.

De acordo com a “Folha”, um relatório produzido pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), descreve dez operações secretas conduzidas pelo principal braço de espionagem do governo brasileiro entre 2003 e 2004. Irã e EUA também estão entre os países cujos diplomatas foram vigiados.

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, ao qual a Abin está subordinada, confirmou a execução das operações e alegou ter atuado dentro dos termos legais. O objetivo das operações, segundo o governo brasileiro, era proteger segredos de interesse do Estado brasileiro.

Pós-Snowden

A notícia de que diplomatas estrangeiros, incluindo russos, foram investigados, surgiu na imprensa brasileira tendo como pano de fundo o escândalo da espionagem denunciado pelo ex-funcionário da CIA, Edward Snowden. A informação divulgada por Snowden de que a CIA teve acesso a conversações e correspondência eletrônica da presidente Dilma Rousseff, esfriou as relações Brasil-EUA.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.