Brasil e Rússia fortalecem cooperação técnico-militar

Amorim (esq.) e Choigu (dir.) concordaram em elaborar  tratado internacional para proteção das redes de informação  Foto: AP

Amorim (esq.) e Choigu (dir.) concordaram em elaborar tratado internacional para proteção das redes de informação Foto: AP

Reunidos em Brasília, ministros da Defesa de ambos os países definiram prazos para compra de sistemas de segurança russos. Também foi discutida a transferência de tecnologia para o Brasil e a troca de experiências diante dos futuros eventos esportivos internacionais.

Em visita ao Brasil, o ministro da Defesa russo, Serguêi Choigu, discutiu uma ampla gama de questões com seu homólogo brasileiro, Celso Amorim. Além dos laços políticos já estabelecidos em encontros anteriores e no âmbito do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), os dois países focaram nas perspectivas de cooperação técnico-militar.

Na véspera da chegada do ministro da Defesa russo,  já se falava na mídia sobre a assinatura do contrato de compra do sistema de defesa antiaérea Pantsir-S1 pelo Brasil, que prevê também a transferência da respectiva tecnologia. Também foi anunciado o fornecimento dos sistemas de mísseis antiaéreos portáteis russos Igla-S durante a atual visita, o que acabou não acontecendo.

A expectativa é que, dentro de um ou dois meses, especialistas militares brasileiros cheguem à Rússia para iniciar a fase final das negociações. O documento que irá formalizar o acordo deverá ser assinado, segundo projeção do Ministério da Defesa brasileiro, em meados do próximo ano.

Amorim declarou que a aquisição de sistemas de defesa antiaérea e de helicópteros MI-35 (das 12 aeronaves compradas, 9 já estão na Força Aérea Brasileira), apelidados de “tanques voadores”, será o primeiro passo rumo a novos projetos mais ambiciosos.

Foto: AFP/EastNews

Os ministros da Defesa discutiram também a questão da formação e treino conjunto dos oficiais na base nas academias militares dos dois países, inclusive a possibilidade de troca de experiência entre os militares das Forças Aerotransportadas da Rússia e do Exército brasileiro.

Nesse contexto, Choigu propôs o intercâmbio de informações referentes à segurança em grandes eventos como as Olimpíadas e a Copa do Mundo, que ambos os países irão receber nos próximos anos. O ministro russo convidou observadores brasileiros para acompanharem os Jogos Olímpicos de Inverno 2014, em Sôtchi. Amorim, por sua vez, retribuiu o convite sugerindo que especialistas russos compareçam na Copa do Mundo no Brasil, em junho do ano que vem.

Planos conjuntos

O projeto FX-2, que prevê o reequipamento e modernização da Força Aérea Brasileira, também não foi esquecido. Amorim ressaltou que a licitação para a compra de caças está na reta final e, por isso, não é mais possível a inserção de novos participantes. No entanto, o ministro brasileiro demonstrou disposição para desenvolver conjuntamente o avião militar de quinta geração T-50.

Também foi proposta uma parceria para o desenvolvimento de aeronaves de ataque e treinamento com base nos Yak-130, além da criação de grupos de trabalho para questões da segurança cibernética e espacial.

Nesse aspecto, ambas as autoridades concordaram em iniciar a elaboração de um tratado internacional para proteção das redes de informação. “Estamos comprometidos com uma parceria estratégica focada no desenvolvimento conjunto de novas tecnologias”, declarou Amorim.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.