Ativista brasileira do Greenpeace ficará presa por dois meses

Tribunal de Murmansk decidiu pela prisão, por dois meses, dos oito ativistas do Greenpeace que faltavam depor – entre eles, a brasileira Ana Paula Maciel Foto:site oficial do Greenpeace

Tribunal de Murmansk decidiu pela prisão, por dois meses, dos oito ativistas do Greenpeace que faltavam depor – entre eles, a brasileira Ana Paula Maciel Foto:site oficial do Greenpeace

Tribunal russo decidiu pela prisão preventiva dos ambientalistas envolvidos em protesto, incluindo a gaúcha Ana Paula Maciel.

Em nova audiência no domingo passado (29), o Tribunal de Murmansk decidiu pela prisão, por dois meses, dos oito ativistas do Greenpeace que faltavam depor – entre eles, a brasileira Ana Paula Maciel.

Segundo as autoridades locais, esse é prazo para que sejam concluídas as investigações sobre a ação pacífica realizada contra a exploração de petróleo no Ártico, no último dia 18.

Ao todo, 28 ativistas, além de um fotógrafo e um cinegrafista que cobriam a ação, permanecerão sob custódia. O Greenpeace vai recorrer da decisão.

Protesto polêmico

Os ambientalistas do Greenpeace haviam chegado ao Ártico a bordo do quebra-gelo “Arctic Sunrise” há cerca de um mês para realizar um “protesto pacífico e não-violento” contra as petrolíferas que operam no Ártico.

A embarcação acabou sendo detida pelos guardas fronteiriços russos perto da plataforma de Prirazlômnaia, onde dois militantes, o finlandês Sini Saarela e suíço Marco Polo, haviam escalado.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.